Disney/Pixar
Disney/Pixar

Curta exibido antes de ‘Incríveis 2’ se inspira em cultura chinesa

Com oito minutos, 'Bao' usa a culinária chinesa para tratar de uma mãe superprotetora

Kaly Soto, The New York Times

08 Julho 2018 | 06h00

A Pixar mergulhou na cultura indiana em seu Os Heróis de Sanjay e na cultura latina com Viva – A Vida é uma Festa. Em Bao, curta de 8 minutos que antecede Os Incríveis 2, a gigante da animação entra na cultura da China de uma maneira que você pode mesmo acabar reavaliando seu gosto pelos dumplings chineses.

+Animação brasileira ‘Lino’ estreia em 1,2 mil salas de cinema na Rússia

+'A animação no Brasil ainda é obra de poucos', diz diretor de 'Lino'

Bao, um dumpling perfeito, é um dos personagens do curta, criado por uma cozinheira quando preparava a comida. Ele então ganha vida, um pequeno corpo sob uma enorme cabeça E a cozinheira o adota e se torna sua mãe, embalando-o com as mãos e nunca o deixando, até que ele começa a se sentir sufocado pelo seu amor.

+O segmento da animação virou um negócio milionário em Hollywood

Domee Shi, 28 anos, que criou e dirigiu Bao, disse que a inspiração veio de três momentos em sua vida: o primeiro foi sua própria experiência de vida, dentro de uma família chinesa que emigrou para Toronto (onde o curta foi filmado) em 1991, quando ela tinha 2 anos. “Com pais superprotetores, eu era como esse pequenino Bao”, disse ela.

Sua segunda inspiração veio da comida. “Dumpling é um alimento onipresente na cultura chinesa. Você faz dumplings com a família nos feriados, no Ano Novo chinês. É a metáfora perfeita da refeição em família.” Em terceiro lugar, ela queria dar um toque moderno a um conto de fadas, porque adora a maneira como essas histórias tratam temas leves e sombrios.

O que nos leva assim ao momento mais sombrio da sua animação. À medida que Bao cresce, a mãe tenta prendê-lo. E o separa das outras crianças para protegê-lo. Se a sua pequena cabeça perde um pedaço, ela a enche com uma colherada de massa de dumpling e a remodela. Mas, como todas as crianças, Bao fica inquieto, querendo a liberdade. Um dia, traz para casa uma garota com um anel de noivado e faz suas malas. Esta é a gota d’água para a mãe, e então ela o come. O momento provoca suspiros dos espectadores e, em uma recente sessão num cinema em Nova York, uma mulher chegou a dar um grito.

“Uma parte de mim queria chocar o público e fazer alguma coisa que fosse inesperada”, disse Shi. “A mãe tenta impedir o filho de deixá-la. É um ato repentino movido pela emoção que ela lamenta imediatamente”.

Shi disse que se perguntou se essa seria uma história muito sombria para os mais jovens, mas ficou impressionada com o comentário de uma garota de 9 anos que assistiu ao curta no Festival de Cinema de Tribeca. “Ela disse: ‘depois de assistir ao filme, falei para minha mãe que é melhor ela não me comer quando eu for para a faculdade’. Ela entendeu tudo’.” 

O curta vai indo muito bem. E Shi espera que Bao continue a inspirar as plateias. “Se forem asiáticos, espero que se divirtam ao se verem na tela. Se não, espero que aprendam alguma coisa sobre a comunidade e a cultura chinesas. E que convidem suas mães para os levarem para almoçar.” / Tradução de Terezinha Martino

Mais conteúdo sobre:
cinema animação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.