Tamir Kalifa/The New York Times
Tamir Kalifa/The New York Times

Drake vem ao Rock in Rio 2019 no auge de sua popularidade até aqui

Confirmado no festival, músico canadense consolidou transformação no pop global ao colocar a melodia no centro do hip hop

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2019 | 21h30
Atualizado 06 de fevereiro de 2019 | 09h49

Não é pouca coisa: Drake tem data para pisar no Brasil. O Rock in Rio anunciou oficialmente nesta terça-feira, 5, que o artista canadense número 1 em streamings no mundo se apresenta no festival no dia 27 de setembro de 2019.

A primeira vez do rapper no Brasil é um acréscimo descomunal para o line-up envelhecido do Rock in Rio: trazendo Drake, o festival confirma sua proclamada vocação pop, no melhor sentido.

Talvez, e por enquanto é especulação, até coloque o País definitivamente na rota dos grandes shows de rap da América do Norte (lembrando que em abril o Lollapalooza recebe Kendrick Lamar, a outra grande estrela global da mesma geração do hip hop).

Drake hoje ocupa um lugar privilegiado no cenário musical, aquele espaço rarefeito de grandes estrelas praticamente inacessível aos mortais. 

No mundo ainda opaco dos números das plataformas da web, foi anunciado no ano passado pelas suas gravadoras que ele foi o primeiro artista a passar dos 50 bilhões de streamings no mundo – cálculos da Forbes garantem que o número pode inclusive ser subdimensionado. Drake é dono de dezenas de outros recordes de paradas e serviços, cuja listagem ocuparia páginas de texto.

Com apenas 32 anos e no auge da sua popularidade até agora, o artista que normalizou os sentimentos na música hip hop, transformando-a por dentro e garantindo presença em toda rádio, plataforma e festa do mundo, tem agora, e finalmente, um encontro marcado com o público brasileiro.

Drake no Rock in Rio 2019: Muito além dos números

No fim de 2018, os críticos do The New York Times propuseram o “Pop 2.0”: a música popular atual não responde mais aos sons de Michael Jackson e Madonna, mas sim aos de outra pessoa: Aubrey Drake Graham. “Quase toda estrela ou inovação importante do gênero na última década pode ser ligada a ele – direta ou indiretamente, em homenagem ou em oposição. Ele de fato reformulou o hip-hop à sua imagem”, escreveu Jon Caramanica no Times.

É injusto não reconhecer quem veio antes, abrindo caminhos e propondo mudanças (como a “suavizada melódica” do hip hop, liderada por Kanye West e Pharrell Williams), mas também é injusto não ver em Drake a cristalização da metamorfose: transformar a melodia na preocupação principal do rap.

No início do século, ele era uma estrela da TV no Canadá, onde nasceu, filho de um músico afro-americano parceiro de Jerry Lee Lewis e de uma professora judia, na classe média de Toronto. Entre 2007 e 2009, lançou suas primeiras mixtapes, ainda fortemente influenciado pelo rap rosnado e agudo de Lil Wayne (que depois virou seu grande patrocinador de início de carreira), mas foi com Thank Me Later (a maior estreia de 2010) e Take Care (2012) que seu nome começou a virar um colosso – Drake também é protagonista do movimento global de “retorno” aos singles, território que domina como poucos (as melhores músicas de seus álbuns são quase sempre lançadas antes, com pompa).

Nothing Was The Same (2013) é o seu álbum perfeito”, explica o rapper brasileiro Don L, da mesma geração no hip hop que Drake. “Nesse disco ele definiu um estilo, que tem a ver com ser bom de rap e ser bom cantor, com muito R&B. Nas canções desse disco já é possível reconhecer que quando rima, é o Drake, e quando canta, é o Drake. Em termos de lírica, o lance dele foi colocar as coisas juntas, love songs com bagulho de rap, hits populares com conceitos, um boombap (tipo de produção) ‘chill out’. Ele deu uma unidade para vários estilos.”

Outro nome brasileiro do mesmo período, Projota também faz uma análise parecida. “Ele encabeça uma geração que passa a colocar mais melodia na voz, começa a cantar os próprios refrões”, explica. “Isso é essencial no trabalho dele.” Somam-se a isso sua “caneta de diamante” e o estilo muito natural de navegar entre abordagens temáticas do hip hop. “Ele sempre fez música romântica e música de mensagem ao mesmo tempo. Ele mostra como se pode falar sobre outras coisas e não deixar de falar sobre o que o rap deve falar.”

Os dois concordam que ver o trabalho de Drake “dar certo” serviu, pelo menos, para gerar empatia e inspiração também no cenário do rap nacional, que bebe das mesmas fontes que o artista canadense.

Como contraponto, a rapper e cantora BrisaFlow — que também transita entre o rap e o R&B — diz não ser muito fã de Drake. "Sei do impacto da obra dele, mas não considero o mais impactante obra dele mesmo", diz. "A produção, mixagem e master são bons, porém o último álbum (Scorpion) parece que usa os mesmos kits de bateria em todos os beats, são mais de 20 faixas muito parecidas."

A artista (que lançou em 2018 o disco Selvagem Como o Vento) reconhece em Drake o faro esperto para hits e a sabedoria de aproveitar os momentos para criar sensações, na música e na internet, bem como para estabelecer parcerias, como Rihanna e The Game, entre outras.

Em escala global, tudo segue volátil na contagem de streamings: as plataformas ainda estão crescendo, portanto nenhum número soa tão definitivo. Mesmo assim, Scorpion, o álbum mais recente de Drake, quebrou praticamente todos os recordes do setor, passando a ser o álbum com mais streamings no dia do lançamento e no ano. A consultoria americana Nielsen estimava 4 bilhões de streamings só até novembro. Com os singles God’s Plan e Nice for What lançados anteriormente, ele já havia se tornado o primeiro artista na história a substituir seu próprio #1 na parada da Billboard.

Drake não é perfeito. Entre suas controvérsias ao longo dos anos, o fato de usar ghostwriters em algumas canções já lhe causou dores de cabeça – cantar os versos de outro compositor, no hip hop, é motivo de chacota. Em 2018, um “beef” (situação em que dois rappers discutem publicamente) com o americano Pusha T revelou que Drake escondia um filho do mundo. Ninguém – nem Drake – é perfeito, afinal.

Drake em seis canções:

Best I Ever Had (2009)

A primeira faixa com as frases de Drake que viraram milhões de legendas no Instagram. 

Find Your Love (2010)

Parceria com Kanye West, o R&B pegado de dancehall fez Drake declarar que West era a “principal influência no meu som”. 

Take Care (2011)

A primeira participação de Rihanna numa música sua (ambos tiveram um complicado relacionamento amoroso por anos). 

Hotline Bling (2015)

É difícil imaginar alguém, que não Drake, cantando essa música e não sendo ao mesmo tempo o sujeito mais cafona do globo. 

One Dance (2016)

O primeiro #1 de Drake nos EUA, outro dancehall com forte pegadas do afrobeat. 

Nice for What (2018)

Um dos megahits de ‘Scorpion’.

Mais conteúdo sobre:
DrakeRock in RiomúsicaHip-hop

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.