Eduardo Bolsonaro critica restrição do WhatsApp a 5 destinatários

Eduardo Bolsonaro critica restrição do WhatsApp a 5 destinatários

Sonia Racy

21 Janeiro 2019 | 16h34

EDUARDO BOLSONARO. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

EDUARDO BOLSONARO. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Diante da notícia de que o WhatsApp limitou o reenvio de mensagens a cinco destinatários, Eduardo Bolsonaro defendeu, no Twitter, o uso de concorrentes, como o Wickr, Signal e Telegram.

Ao anunciar a restrição, na manhã desta segunda-feira, o WhatsApp argumentou que a finalidade é combater a disseminação de notícias falsas. “Então vamos para wickr me, signal, telegram”, postou o deputado, filho do presidente Jair Bolsonaro, ao compartilhar a notícia. Eduardo viajou na comitiva oficial do governo, ao lado do pai, Jair Bolsonaro, para Davos.

Durante a campanha eleitoral, a conta no WhatsApp de Flávio Bolsonaro, um dos irmãos de Eduardo, ficou suspensa entre 11 e 14 de outubro.

Na época, a empresa disse que número de Flávio foi barrado por comportamento de spam, mas que a suspensão não tinha a ver com bloqueio de contas usadas para espalhar desinformação.

Leia mais notas da coluna:
‘Os militares se prepararam para o País, os partidos não’, diz historiador
Orquestra da Osesp abrirá festival em Hong Kong

Mais conteúdo sobre:

Eduardo BolsonaroWhatsapp