Após duas décadas, Milu Villela deixa o MAM

Após duas décadas, Milu Villela deixa o MAM

Sonia Racy

26 de abril de 2019 | 09h53

MILU VILLELA. FOTO: CARBONOUOMO

Depois de mais de duas décadas na presidência do MAM, Milú Villela deixará o comando da instituição, permanecendo como sua conselheira. Para seu lugar sugeriu a colecionadora Mariana Berenguer.

Cujo nome será avaliado pelos associados em reunião marcada para segunda-feira.

Museu virou 
referência

À frente do MAM, além de renovar o museu, Milú fez com que a instituição se tornasse referência em arte-educação. De maneira incisiva, brigou para ampliar o acervo e sediou mostras importantes. “Fecho este ciclo me sentindo plenamente realizada e fico muito feliz em poder passar o bastão a uma outra mulher”, acrescenta a também presidente do Itaú Cultural.

A acionista do Itaú tem intenção de continuar seu trabalho no braço cultural do banco e, em paralelo, sua atividade como integrante da ONG Todos pela Educação.

O MAM foi fundado em 1948 pelo mecenas Ciccillo Matarazzo, que também foi o responsável, entre inúmeras iniciativas, pela criação da Bienal.

Entretanto, sucessivas crises institucionais e dificuldades financeiras levaram o fundador a romper com o conselho diretor, o que resultou na extinção temporária do museu e na doação de todo o seu patrimônio ao MAC.

Leia mais notas da coluna:
+ Ale Youssef prega união contra mudança na Lei Rouanet
+ Mercado ajusta tom em relação à reforma da Previdência

Tendências: