Mercado ajusta tom em relação à reforma da Previdência

Mercado ajusta tom em relação à reforma da Previdência

Sonia Racy

25 de abril de 2019 | 00h55

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA DA CÂMARA. FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA DA CÂMARA. FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Turning point

O mercado financeiro está “ajustando” seu tom em relação à reforma da Previdência. Na lista montada e divulgada ontem pela Bloomberg, mostrando as previsões de nada menos que 30 instituições financeiras de peso – tanto nacionais quanto internacionais –, nota-se certo consenso em relação à data de votação da PEC: pouco antes e pouco depois do terceiro trimestre de 2019.

Também em relação à economia que será feita nos próximos dez anos, as apostas coincidem entre R$ 500 bilhões e R$ 800 bilhões. Só o Bradesco estica este espectro para até R$ 900 bilhões.

Turning point 2

Em outras palavras, se o governo Bolsonaro conseguir um corte de custos maior que a média das projeções, algo como R$ 600 milhões, os preços das ações cotadas na B3 e também la fora vão… subir. Mas se a reforma aprovada pelo Congresso limitar a economia de gastos abaixo do R$ 500 bilhões, aí… a coisa se complica. Paulo Guedes briga por um ajuste de R$ 1 trilhão.

Turning point 3

Os números mais otimistas da tabela são do Bradesco, Itaú e da Rio Bravo. O olhar mais pessimista – e único abaixo dos R$ 500 bilhões – é o da RBC Capital, que prevê R$ 350 bilhões no enxugamento da Previdência.

Eldorado

Esquenta ainda mais a disputa pelo controle da Eldorado Celulose, briga travada entre a J&F e a Paper Excellence.

A Eldorado informa que haverá voto múltiplo na assembleia de acionistas de hoje e a PE escolheu, para representá-la no conselho de administração, Leonardo Pereira, ex- CVM, João Elek, ex-compliance da Petrobrás, e João Cox, ex-Claro.

Correria

A defesa de Lula ficou sabendo que o recurso levado ao STJ seria julgado anteontem faltando menos de 24 horas para a sessão, segundo fontes próximas ao ex-presidente. Os advogados compraram passagem em cima da hora e chegaram ao tribunal minutos antes. Tinham pedido prazo de 72 horas.

Junta, separa

Depois da audiência pública na Câmara sobre a fusão da TV Brasil com a NBR, anteontem, o PDT do Rio avisou: vai pedir ao MP que recorra ao STF para vetar a ideia. Argumenta que a NBR é empresa do governo e a TV Brasil é pública. Não pode, assim, se tornar uma mera reprodutora da opinião oficial.

Subiu na árvore

Eduardo Tuma, pelo jeito, colocou um jabuti na mesa de Bruno Covas.

O prefeito não é favorável ao substitutivo que a liderança do governo na Câmara apresentou  no lugar do seu projeto de lei de isenção do IPTU.

Direto da França

Andrea Bescond e Éric Métayer vêm para o Brasil, em junho, participar do Festival Varilux de Cinema Francês. A dupla, apresenta Inocência Roubada, longa baseado na infância da diretora, que sofreu abuso sexual.

De volta

Tunga foi o primeiro artista a expor no CCBB São Paulo, em maio de 2001. Dezoito anos depois, suas obras voltam à instituição, na coletiva Vaivém, que abre dia 21 de maio. Entre os destaques, a instalação Bells Falls e os registros da performance 100 Rede.

Quatro a três

Desta os corintianos não vão gostar. O Club Athletico Paulistano, que não tem mais time de futebol, comemora no domingo os 100 anos da conquista… do tetracampeonato paulista. Coisa que nenhum outro clube conseguiu no  Estado. O feito aconteceu em 1916, 17, 18 e 19. A festa terá presença da direção da Federação Paulista de Futebol.

Leia mais notas da coluna:
+ André Esteves monta escritório de asset management em Portugal
+ Disputa sucessória já corre solta na PGR