Advogados querem suspensão de prisões em 2ª instância até julgamento de ações

Sonia Racy

23 Março 2018 | 01h00

SESSÃO DO SUPREMO

SESSÃO DO SUPREMO. FOTO: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Entidades de advogados favoráveis à prisão após todos os recursos esperam que o caso do Lula tenha efeito “erga omnes”, ou seja, para todos.

Caso isso não ocorra, a estratégia é pedir que o STF ao menos suspenda a execução de condenações até que sejam julgadas as ações sobre prisão em segunda instância.

Leia mais notas da coluna:

Judiciário ‘tem que manter a dignidade’, diz advogado

Osesp estreia hoje “concerto digital’ com a Terceira de Beethoven