Maurício Nahas
Maurício Nahas

Barbara Paz vive uma vilã na nova trama das 6

Novela de Alessandra Poggi, ‘Além da Ilusão’ estreia nesta segunda e tem Larissa Manoela e Rafael Vitti como protagonistas

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2022 | 05h00

Como em todo folhetim que tenha uma história de amor como plano central, sempre há um personagem que se destaca por carregar características duvidosas, pronto para estragar a festa. Em Além da Ilusão, a novela de Alessandra Poggi que estreia nesta segunda-feira, 7, no horário das 6, na Globo, a dona do papel de antagonista ficou a cargo da atriz Barbara Paz. 

Ela será a ambiciosa Úrsula, uma mulher que ficou sozinha na vida ainda criança e não contou com o apoio de ninguém. De personalidade forte, é afeita a manipular quem vive ao seu redor. Para se manter, e cuidar do seu filho, trabalha como cozinheira na casa de Eugênio Barbosa (Marcello Novaes). 

Barbara Paz retorna às novelas após quatro anos distante, período que ficou debruçada sobre seu premiado documentário Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou. E a orgulhosa cineasta confessa, em conversa com o Estadão, ter sido este “um filme sobre um homem que eu amei muito, um cineasta que tem uma importância gigantesca para o mundo e não só para o Brasil”. 

Mas agora ela foca na nova empreitada e na personagem que toma conta de sua atenção. “Espero que todo mundo a ame. Ame odiando (risos)”, diverte-se a atriz ao imaginar como sua personagem poderá ser vista pelo público. 

Na nova novela, Barbara Paz será essa mulher ambiciosa, que é mãe solteira, algo inconcebível para a sociedade dos anos 1930/ 40, e que tem objetivos escusos em sua vida. “Úrsula tem os dois lados em sua personalidade como todo ser humano, mas claro que ela vai muito para uma maldade”, avisa a intérprete. “Como um dia a Larissa (Manoela) falou: ela é uma mistura de Malévola e Cruela.” 

Por ser um folhetim de época, a atriz afirma estar feliz em poder viver essa história. “A Bibi Ferreira falava que tudo começava pelo pé, então, qual o sapato que essa personagem veste?”, lembra Barbara. “Quando você veste uma roupa de época, para mim, você já está em cima de um palco”, afirma. “Fiz trama de época no teatro, trabalhei tanto com o grupo Tapa, que sempre faz clássicos, mas nunca tinha feito na TV”, afirma comentando, ainda, ser um prazer vestir roupas dos anos 1940. 

Úrsula, na trama, foi acolhida pela família de Eugênio (Marcello Novaes). Ali ela foi recebida, mas sua intenção vai além de ser empregada. Ela tem um filho, Joaquim (Thiago Voltolini/Danilo Mesquita), que ela vai educando para seguir seus passos. “Ela vai construindo esse pequeno monstrinho para ser uma continuação dela dobrada, uma maldade dobrada, e esse pequeno demônio vai crescendo e acaba superando a mãe em maldades”, revela Barbara. 

 “A gente participou de workshops com várias pessoas explicando e nos lembrando como foram os anos 1930 e 1940, como era a mulher naquela época, principalmente, porque a novela fala sobre isso”, conta Barbara. Além disso, como ela explica, puderam ainda ver revistas da época, o que elucidou ainda mais como era a sociedade daquele período. “Foi muito interessante ver como evoluímos de um lado e, de outro, permanecemos os mesmos”, observa Barbara Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.