Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Depois do Jabuti, Silviano Santiago retorna à infância em novo livro

Autor, ganhador do Livro do Ano de Ficção no 59.º Jabuti, vem construindo uma espécie de testamento com suas obras e prepara, agora, ‘O Menino Sem Passado’; também premiada, Magda Soares fala sobre alfabetização

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2017 | 06h09

Não foi exatamente uma surpresa quando o nome do mineiro Silviano Santiago foi anunciado, no final da noite de quinta, 30, como o vencedor do Livro do Ano de Ficção do 59.º Jabuti, que lhe rendeu R$ 35 mil. Santiago vem de uma sequência de prêmios. Seu romance anterior, Mil Rosas Roubadas, venceu o Oceanos em 2015. Machado (Companhia das Letras), obra premiada agora e que acompanha os últimos momentos da vida do autor de Dom Casmurro, foi finalista de todas as premiações este ano. Levou o primeiro lugar do Jabuti de romance (R$ 3.500) e o segundo lugar no Oceanos (R$ 60 mil). Um projeto literário que, comemora o autor, está sendo reconhecido em vida.

Ao final da cerimônia de entrega dos troféus para os vencedores das 29 categorias, entre os quais estavam os cronistas do Caderno 2 Luis Fernando Verissimo e Ignácio de Loyola Brandão e o editorialista do Estado Marcos Guterman, e que prestou homenagem a Ruth Rocha, Santiago, 81 anos, disse que caminha para uma espécie de testamento.

“A palavra é essa, não posso evitá-la. Gostaria, mas não posso. Estou tentando evocar momentos extremamente importantes da minha vida, caso de Mil Rosas Roubadas, que talvez eu tenha recalcado e chegou agora a hora de escrever. Machado é uma homenagem a esse autor que tanto li e quis que coincidisse com o próprio tipo de experiência de vida que estou tendo agora. Reencontro Machado num momento em que eu, de certa maneira, também estou sobrevivendo. Minha idade já ultrapassou a dele. Então, no lugar de pegar o Machado de Assis das grandes obras, peguei esse momento muito difícil, quando ele perde a esposa, está solitário, a doença se acentua”, disse ao Estado.

+++ Em 'Mil Rosas Roubadas', o crítico e romancista Silviano Santiago relembra Ezequiel Neves

+++ Silviano Santiago lança romance baseado na vida do autor de 'Dom Casmurro'

Agora, ele toma fôlego para, como diz, “trabalhar com mais coragem” a sua infância. O novo livro já tem título, emprestado de um poema de Murilo Mendes: O Menino Sem Passado. “Será um personagem que vive de maneira sonâmbula a cidade em que nasceu, Formiga, e, ao mesmo tempo, as leituras de durante a Segunda Guerra Mundial. Esse universo é amplo e muito pessoal e vai ser responsável pela maneira como organizei a minha vida – muito em cima da imaginação, da viagem, da inquietação e do desejo de sair dos limites.”

Quem também subiu ao palco duas vezes na cerimônia foi Magda Soares, 85 anos, primeiro lugar na categoria Educação e Pedagogia com Alfabetização: A Questão dos Métodos (Contexto). A obra ganhou também o Livro do Ano de Não Ficção. “Não teremos leitores para nossos livros se não resolvermos o problema da alfabetização das nossas crianças”, disse, ao receber seu troféu. Se há esperanças de melhores índices? “O País não está avançando na alfabetização e uma das razões é que não estão preparando o professores para isso e não estão se dando conta de que o processo é esse”, respondeu ao Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.