Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Antes de aceitar convite à Cultura, Regina vai 'refletir' sobre 'o que viu e aprendeu' em Brasília

A ideia é responder ao convite após a próxima terça-feira, 28, quando o presidente Jair Bolsonaro retorna de viagem para a Índia.

Mateus Vargas, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2020 | 17h24

BRASÍLIA - A atriz Regina Duarte irá "refletir sobre tudo o que viu e aprendeu" durante os dias de "teste" em Brasília para responder se aceita ou não virar chefe da cultura do governo federal. A ideia é responder ao convite após a próxima terça-feira, 28, quando o presidente Jair Bolsonaro retorna de viagem para a Índia.

As informações foram dadas nesta quinta-feira, 23, pela Secretaria Especial de Cultura. Regina esteve hoje pelo segundo dia seguido na secretaria, onde fez reuniões com a equipe da cultura.

"De acordo com a assessoria particular de Regina, ela vai refletir sobre tudo que viu e aprendeu. A previsão para que ela dê uma resposta é após o retorno do presidente", diz a nota da secretaria.

Mesmo sem ter confirmado a sua entrada no governo Jair Bolsonaro, a atriz escolheu nesta quinta, 23, como "número 2" da Secretaria Especial de Cultura a reverenda Jane Silva, atual secretária de Diversidade Cultural da pasta.

Para Entender

As idas e vindas da Cultura no governo Bolsonaro

Ministério foi extinto em janeiro para criação da Secretaria Especial de Cultura, que foi incorporada ao Ministério da Cidadania e, depois, ao do Turismo; trocas nas lideranças dos órgãos geraram críticas ao governo


Jane ocupará o cargo de secretária-adjunta da Cultura "até que haja uma definição sobre a nomeação de Regina Duarte", disse a Secretaria Especial de Cultura.

Como adjunta, a reverenda atuará automaticamente como chefe interina da cultura, já que o cargo de secretário da pasta está vago desde a última sexta-feira, 17, quando o dramaturgo Roberto Alvim foi demitido por parafrasear em discurso o nazista Joseph Goebbels.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.