Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Alvim ganha queda de braço com ministro do Turismo ao derrubar nomeada ao Iphan

Secretário especial de Cultura conseguiu derrubar, em menos de 24 horas, uma indicação de Marcelo Álvaro Antônio

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2019 | 12h18

BRASÍLIA - Prestigiado com o presidente Jair Bolsonaro, o secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, venceu mais uma queda de braço com um ministro do governo. Desta vez, conseguiu derrubar, em menos de 24 horas, uma indicação do titular do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG), para o comando do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O secretário já havia vencido uma batalha nos bastidores com Osmar Terra, da Cidadania.

A arquiteta Luciana Feres, nomeada ontem para o cargo, era uma indicação pessoal de Antônio, que desejava retirar das mãos de Alvim o comando sobre o setor de patrimônio, área que mexe com licenciamento de obras em todo o País.

O nome desejado por Alvim ao cargo, Olav Schrader, defensor da monarquia, porém, foi vetado em análises da Casa Civil por ser estrangeiro, segundo fontes do governo. Oficialmente, o Palácio do Planalto não confirma o veto.

O secretário busca novo nome dentro do rol de seguidores do escritor Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo. A ideia é que seja um nome ligado a área cultural.

A secretaria de Cultura está acomodada dentro do Ministério do Turismo. Em tese, Antônio é chefe de Alvim, mas o secretário tem livre acesso a Bolsonaro. O presidente já disse que Alvim tem "porteira fechada" para nomeação, ou seja, que pode escolher quem bem entender.

Procurados, Cultura e Turismo não se manifestaram.

Menos de um dia no cargo.

Ao deixar o Palácio do Planalto na terça-feira, 10, onde se reuniu com Jair Bolsonaro, Alvim disse que não havia decisão sobre o Iphan. O ministro do Turismo, no entanto, articulou para emplacar Feres, que foi nomeada no dia seguinte e, horas mais tarde, despedida em edição extra do Diário Oficial.

A arquiteta disse ao Estado, após ser nomeada, defender uma conexão “abrangente” entre o patrimônio histórico cultural e o ambiente em que está inserido. “Tem de ter uma visão global, de parceria”, afirmou.

Ela substituiria Kátia Bogéa no comando do Iphan, que disse ao Estado ter sido pega de surpresa ao ser exonerada.

Feres esteve à frente da conquista de um dos mais recentes títulos alcançados pelo País na Unesco: o de Patrimônio Cultural da Humanidade, em 2016, para o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, idealizado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado em 1943.

Na capital mineira, Feres foi coordenadora do Conjunto Arquitetônico da Pampulha e da Comissão Executiva do Programa de Declaração do Conjunto Moderno da Pampulha a Patrimônio Mundial pela Unesco, criado pela prefeitura na gestão de Marcio Lacerda, à época no PSB. Feres esteve nos cargos entre 2013 e 2016.

Alvim contra ministros.

Além de Antônio, Alvim já teve disputas com o ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), que resultou na transferência da Secretaria da Cultura ao Turismo. O secretário ocupava uma diretoria da Fundação Nacional de Artes (Funarte) e entrou em conflito com Terra por causa de nomeações na equipe.

Na terça-feira, 10, o secretário de Cultura disse que não irá "aparelhar o setor". "Um governo de esquerda patrocina propaganda ideológica. O governo de direita patrocina obras de arte. O que estamos lutando é pelo renascimento do conceito de obra de arte", afirmou Alvim após se reunir com o presidente Bolsonaro.

O governo tem sido criticado por escolhas recentes para comandar a área de cultura. A Justiça Federal chegou a suspender a nomeação para presidente da Fundação Palmares do jornalista Sérgio Camargo, que já afirmou nas redes sociais que a escravidão foi benéfica e que o Brasil tem um “racismo nutella”.

Nomeado presidente da Funarte, o maestro Dante Mantovani também causou divergência no meio artístico por declarações em vídeos e redes socias. Ele já afirmou, por exemplo, que o "rock ativa as drogas, que ativam o sexo livre, que ativa a indústria do aborto, que ativa o satanismo".

Segundo Alvim, o presidente Bolsonaro apoia todas as nomeações feitas para a área da cultura.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.