Alexandre Teles
Alexandre Teles

Série de encontros no Goethe-Institut traz nascimento do cinema alemão até a modernidade

Serão discutidos os efeitos das guerras no cinema, passando pelo dadaísmo de Hans Richter, a crítica social de Fritz Lang e produções atuais

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2020 | 08h00

Em que medida os efeitos da Primeira Guerra Mundial e da arte expressionista dos movimentos “Die Brüke” e “Der Blaue Reiter” contribuíram para o surgimento de obras como O gabinete do Dr. Caligari, de 1920, e Nosferatu, de 1921? Estas e outras questões serão levantadas na série de encontros Kinematik, no Goethe-Institut de São Paulo, com entrada franca. Em seis edições, de março até agosto, o evento contará com a participação de especialistas na sétima arte.

Nesta segunda-feira, 9, o primeiro encontro terá como foco o nascimento do cinema como fenômeno da modernidade, com destaque ao trabalho dos irmãos Max e Emil Skladanowsky e de figuras como Max Reinhardt, Ernst Lubitsch e Paul Wegener.

No segundo encontro, no dia 13 de abril, o foco será o dadaísmo, movimento que alcançou o cinema alemão por meio dos filmes abstratos e experimentais de Hans Richter, Viking Eggeling e Walter Ruttmann, nos anos 1920. 

Também relevantes neste período são as obras Os Nibelungos (1924) e Metropolis (1927), ambas dirigidas por Fritz Lang. Você sabia que Thea von Harbou, esposa de Lang, foi responsável em grande medida pelas inovações dramatúrgicas e estéticas destas produções?

Assista ao trailer original de Metropolis, de Fritz Lang: 

Em maio, o Kinematik trará a fase realista e os embates políticos refletidos no cinema alemão. A partir da recuperação econômica, em meados dos anos 1920, surge uma nova onda de filmes realistas e críticos ao sistema socioeconômico, com produções como Berlim, Sinfonia de uma Grande Cidade (1927), O Anjo Azul (1930) e Gente no Domingo (1930). Tais obras analisam com lirismo e melancolia os resultados de uma modernidade predatória, ao mesmo tempo em que antecipam o clima de agravamento político que se aproximava com a ascensão do Partido Nacional Socialista Alemão.

Em junho, no Goethe-Institut, o encontro falará sobre a propaganda nazista de Leni Riefenstahl, que imprimiu ao cinema alemão uma marca moderna e influenciou a linguagem do documentário nas décadas seguintes. 

A partir de Triunfo da Vontade (1934) e Olímpia (1938), serão analisadas as escolhas estéticas da cineasta na construção de uma imagem soberana do povo alemão, rumo à Segunda Guerra Mundial. A qualidade artística de tais filmes superaria, hoje, as mensagens nefastas que transmitiam?

Leni Riefenstahl e a propaganda do nazismo.

Assista ao trecho de Triunfo da Vontade, de Leni Riefenstahl:

Em 6 de julho, a série Kinematik trará o renascimento do cinema alemão nas vanguardas dos anos 1960 e toda a influência do pós-Segunda Guerra Mundial, chegando ao surgimento de uma juventude iconoclasta e crítica, responsável pelo revisionismo da situação alemã em um mundo polarizado pela Guerra Fria.

Destaque para: Wim Wenders, Rainer Werner Fassbinder, Werner Herzog, Volker Schlöndorff e, sobretudo, Margarethe von Trotta, grande expoente feminino do Novo Cinema Alemão, com obras que vão de Os Anos de Chumbo (1981) ao recente Hannah Arendt (2012).

O último encontro, em agosto, será sobre Doris Dörrie, diretora e roteirista alemã, autora de obras como Glück, Fukushima, Meu Amor e Cerejeiras em Flor, este último apresentado na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. 

Assista ao trailer de Cerejeiras em Flor:

Todos os encontros do Kinematik são gratuitos e as inscrições são feitas pelo e-mail: cultura-saopaulo@goethe.de. Após o evento, é concedido certificado de participação.

Serviço:

Kinematik - Cinema Alemão dos Movimentos

Onde: Goethe-Institut de São Paulo

Endereço: Rua Lisboa, 974 - Pinheiros

 1º Encontro: Do nascimento do cinema ao ‘Gabinete do Dr. Caligari’

Quando: 9 de março de 2020, das 19h às 21h30 

2º Encontro: O Dadaísmo alemão e as grandes odes estéticas

Quando: 13 de abril de 2020, das 19h às 21h30 

3º Encontro: A fase realista e os embates políticos refletidos no cinema

Quando: 11 de maio de 2020, das 19h às 21h30

4º Encontro: Leni Riefenstahl e a invenção do documentário moderno

Quando: 11 de junho de 2020, 19h às 21h30

5º Encontro: O renascimento do cinema alemão nas vanguardas dos anos 1960

Quando: 6 de julho de 2020, das 19h às 21h30

6º Encontro: Doris Dörrie - entre o humor e a delicadeza

Quando: 17 de agosto de 2020, das 19h às 21h30

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.