Suzanne Plunkett/Reuters
Suzanne Plunkett/Reuters

'Não voltaria a trabalhar com Woody Allen', afirma Michael Caine

Ganhador do Oscar por papel dirigido por Allen, ator fala sobre sua relação com o diretor

O Estado de S.Paulo

11 Março 2018 | 18h07

O ator britânico Michael Caine afirmou, em entrevista ao jornal The Guardian, que não voltaria a trabalhar com Woody Allen após as acusações de pedofilia que recaíram sobre o cineasta retornarem aos holofotes recentemente. 

+++'Roda Gigante', de Woody Allen, reabre as feridas de velhas acusações de assédio e abuso

"Eu fiquei tão abismado", revelou Caine. "Sou patrono da NSPCC [Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, um órgão inglês] e tenho opiniões contundentes sobre pedofilia. Não consigo formar uma conclusão sobre o caso, porque eu amava Woody e tive um excelente relacionamento profissional com ele", acrescentou o ator, que venceu a primeira das duas estatuetas do Oscar de sua carreira pelo papel em Hannah e Suas Irmãs (1986), comédia dirigida por Woody Allen. 

+++Woody Allen desmente novamente as acusações de sua filha adotiva

O diretor foi acusado nos anos 1990 por sua ex-mulher, Mia Farrow, de ter abusado sexualmente da filha adotiva do casa, Dylan Farrow. O caso nunca chegou a ser encerrado e voltou à tona com os recentes protestos e denúncias em Hollywood, desencadeados pelas acusações contra Harvey Weinstein.

+++Livro sobre Woody Allen cita abusos de Mia Farrow com filhos

"Eu até mesmo o apresentei à Mia", lembrou Michael Caine. "Não me arrependo de ter atuado com ele, o que eu fiz em total inocência, mas não voltaria a trabalhar com ele", concluiu o ator. 

Recentemente outros atores, como Rebecca Hall, Mira Sorvino, Ellen Page e David Krumholtz expressaram arrependimento por ter trabalhado com Woody Allen à luz das acusações.

 

Mais conteúdo sobre:
cinema Woody Allen Michael Caine

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.