REUTERS/Denis Balibouse
REUTERS/Denis Balibouse

Livro sobre Woody Allen cita abusos de Mia Farrow com filhos

Texto inclui revelações de filho adotivo do ex-casal, Moses, segundo o qual a mãe era manipuladora e fisicamente violenta

Sopan Deb / THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2017 | 04h00

Um novo livro sobre a carreira de Woody Allen inclui declarações de que Mia Farrow, sua ex-companheira, era agressiva em relação aos filhos e instruiu sua filha, Dylan, a acusar Allen de abuso sexual. Um extrato desse livro, lançado na terça, 3, foi fornecido pela editora Knopf.

Moses Farrow, filho adotivo de Allen e Mia, fez as acusações em uma entrevista a Eric Lax, que há décadas tem um amistoso relacionamento profissional com o diretor e já escreveu bastante sobre ele. O novo livro de Lax é Start to Finish: Woody Allen and the Art of Moviemaking (Do início ao fim: Woody Allen e a Arte de Fazer Filmes, em tradução livre). Moses abriu-se há algum tempo a respeito de sua família e do caso de abuso, mas seus comentários a Lax trazem muito mais detalhes.

A investigação original sobre as declarações de Dylan Farrow – feitas pela primeira vez em 1992 – tomou várias direções. Um médico que liderou a investigação, John M. Leventhal, e entrevistou Dylan nove vezes, disse que havia incoerências na história contada por ela. Um mês depois, um juiz de Manhattan, deu razão a Mia Farrow, concedendo-lhe a custódia dos filhos e chamando Allen de “egocêntrico, não confiável e insensível”. Frank S. Maco, procurador público estadual em Connecticut, mais tarde disse que havia “causa provável” para acusar Allen, mas ele não o faria – para evitar mais traumas a Dylan. Allen negou as acusações de abuso.

Segundo um trecho do livro, Moses declara que sua mãe era emocionalmente manipuladora e fisicamente violenta, detalhando uma série de supostas ocasiões nas quais Mia o agrediu ou pressionou as crianças para que cedessem à sua vontade. Segundo o texto, Moses afirmou: “Agora que não vivo mais com medo de ser rejeitado por ela, estou livre para contar como ela me preparou e me fez uma lavagem cerebral”.

Quando lhe pediram que comentasse o assunto, Mia Farrow divulgou uma declaração: “Moses afastou-se completamente de toda a família, incluindo a ex-mulher, que estava grávida quando ele partiu. É de partir o coração e desconcertante que ele tenha inventado isso, talvez para agradar a Woody. Todos nós sentimos a falta dele e o amamos muito”.

Em 2014, Dylan escreveu uma carta, publicada pelo colunista do The New York Times Nicholas Kristof, dando detalhes sobre as alegações de abuso da parte de Allen. Em resposta, Moses deu uma entrevista à revista People, dizendo: “Claro que Woody não abusou de minha irmã. Ele a amava e ela mal podia esperar para vê-lo quando nos visitava. Ela jamais se escondeu dele, até que minha mãe conseguisse criar uma atmosfera de medo e ódio contra ele”. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO 

Mais conteúdo sobre:
Woody Allen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.