Paul Drinkwater/NBC Universal/Handout via REUTERS
Paul Drinkwater/NBC Universal/Handout via REUTERS

Globo de Ouro 2020 marcou revés da Netflix: venceram Sam Mendes e '1917'

Joaquin Phoenix levou o prêmio de melhor ator de drama pela sua atuação em 'Coringa'; 'O Irlandês', de Martin Scorsese, não ganhou nenhum prêmio, e 'História de um Casamento' levou apenas um

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

06 de janeiro de 2020 | 01h35

Desde o anúncio de indicados para a 77.ª edição dos prêmios da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, parecia que o Globo de Ouro de 2020 ia fazer história. Os recordistas de indicações foram todos filmes produzidos pela NetflixA História de Um Casamento, O Irlandês, Dois Papas. A gigante de streaming ia arrasar a concorrência de Hollywood?

Não para a imprensa estrangeira, que atribui seus prêmios desde 1944, no início somente para o cinema, depois também para a TV. Martin Scorsese, com O Irlandês, talvez tenha sido o grande derrotado da festa. Não levou nada. 

Com seis indicações, o longa autobiográfico de Noah Baumbach sobre seu complicado processo de divórcio – ele diz que não é – rendeu a Laura Dern a estatueta de melhor atriz coadjuvante. Os melhores foram filmes produzidos pelos grandes estúdios, no sistema tradicional.

Quentin Tarantino venceu o prêmio de roteiro e agregou o melhor filme de comédia ou musical por Era Uma Vez... em Hollywood.

Brad Pitt foi melhor coadjuvante pelo Tarantino e agradeceu ao homem, ao mito, à lenda. A Associação já sinalizara ao atribuir o prêmio de direção para Sam Mendes, pelo extraordinário plano-sequência que dura todo o seu épico de guerra, 1917.

1917 foge ao que era a grande tendência do ano que passou – a revolta dos excluídos –, sinalizada em Cannes, com a vitória de Parasita, de Bong Joon-ho na Palma de Ouro, confirmada em Veneza com o Leão de Ouro para Coringa, de Todd Phillips. Mas é um imenso filme, pelo desafio estético, pela potência narrativa, pela humanidade dessa história que percorre um ciclo e começa e termina com o repouso do guerreiro sob uma árvore. 1917 venceu como melhor filme de drama e foi um sério revés para as aspirações da Netflix.

A noite de triunfo da operadora de streaming virou fiasco. O Coringa, outra produção do cinemão – da Warner –, venceu o prêmio de trilha e o melhor ator para Joaquin Phoenix – talvez fosse o prêmio mais esperado de toda a noite. Joaquin é brilhante como o arqui-inimigo do Batman e o filme, na contramão dos blockbusters por seu intimismo dilacerado, é realmente excepcional.

Joaquin foi generoso – disse aos colegas preteridos nas categoria que nunca houve disputa entre eles. Era só uma forma de incrementar a bilheteria dos filmes. Se a sua vitória era esperada, a de Taron Egerton, como melhor ator de comédias ou musical, por Rocketman, foi outra apoteose. Na plateia, Elton John não escondia o entusiasmo – ele que também recebeu o prêmio de canção, por I’m Gonna Love Myself Again.

A premiação, apresentada por Ricky Gervais, começou com os indicados (e premiados) de séries. Primeiro vencedor da noite, Ramy Youssef foi premiado como melhor ator de série de comédia ou musical por Ramy. Sucession, da HBO, venceu como melhor série de drama – a história da família Roy, que controla um dos maiores conglomerados de comunicação e entretenimento do mundo. Phoebe Waller-Bridge venceu como melhor atriz de série de comédia ou musical, por Fleabag – a série, queridinha das feministas, também foi a melhor da noite do Globo de Ouro. 

Ellen De Generes recebeu o Carol Burnett Award, por sua ‘outstanding’ contribuição à TV e pelo pioneirismo por se expor como gay e lésbica numa época em que ainda havia preconceito na indústria. “O bom de ganhar um prêmio especial é que a gente sabe que vai ganhar. Não passa pela tensão que vocês estão sofrendo”, disse sobre os colegas indicados da noite. 

Se não estava surpreso de verdade, Quentin Tarantino disfarçou muito bem ao vencer o prêmio de roteiro, por Era Uma Vez... em Hollywood. “Uau” Pensei que seria para Steve Zaillian (por O Irlandês).” Desde Pulp Fiction/Tempo de Violência, de 1995, Tarantino tem sido um recorrente vencedor de prêmios de roteiro – no Globo de Ouro e no Oscar.

Concorrendo com Toy Story 4 e Frozen 2, Link Perdido, de Chris Butler, venceu como melhor animação. Realizado na técnica chamada de stop motion, o filme é sobre investigador de mitos e monstros que busca o elo perdido – na verdade, o homem primitivo.

Fenômeno do pop, Elton John foi destaque desde o tapete vermelho, paparicado pela imprensa e pelo público. Terminou a noite consagrado – com o prêmio de canção e o abraço amigo de Taron Egerton, que o abraçou, do palco, para o mundo todo ver.

Em 9 de fevereiro, daqui a pouco mais de um mês, a Academia de Hollywood celebra a 92.ª cerimônia de entrega de seu prêmio. Apenas 15 anos separam o Oscar, mais longevo, do Globo de Ouro. O prêmio da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood surgiu em plena 2.ª Grande Guerra. Foi entregue pela primeira vez em 1944 e a cerimônia realizada neste domingo, em Los Angeles, foi como um balão de ensaio para o prêmio maior.

Inclusive, durante toda a premiação do Globo de Ouro apareceram comerciais chamando para o Oscar. Toda Hollywood vestiu-se de gala. Até Glenn Close, que amargou a humilhação de perder, no ano passado, um Oscar que todos juravam que era dela – por A Esposa –, passou esbanjando sorrisos pelo tapete vermelho. Nos EUA, o Globo de Ouro é muito considerado porque marca o reconhecimento de obras e artistas pela imprensa especializada. O Oscar e o Emmy, o Oscar da TV, são atribuídos pela própria categoria. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.