Acervo Estadão
Acervo Estadão

Enquete: qual é a cena mais tensa de Alfred Hitchcock?

Mestre do suspense completaria 120 anos nesta terça-feira, 13

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2019 | 12h21

Comemoram-se na terça-feira, 13, os 120 anos de nascimento de um dos maiores diretores do cinema – o mestre do suspense Alfred Hitchcock. Em 1995, uma enquete feita com críticos e diretores de todo o mundo para festejar o centenário do cinema apontou-o como o maior e mais influente cineasta da história. Hitchcock elevou o medo à condição de uma das mais belas artes. Tornou-se mestre do suspense muitas vezes, senão sempre, suprimindo o mistério.

Vamos propor uma brincadeira. Aqui estão algumas das grandes cenas que ele criou, e você vai ter de escolher a melhor. Nossa votação está aberta!

O assassinato de Marion Crane/Janet Leigh na ducha em 'Psicose', de 1960

A cena não é só um brilhante exercício de corte e montagem. Também tem o aspecto emocional. Marion errou, roubando o dinheiro. Dá-se conta disso e resolve voltar atrás, assumindo a responsabilidade. O banho equivale ao seu desejo de purificação – a segunda chance que não virá. E além da imagem,tem a trilha de Bernard Herrmann, que torna a cena ainda mais assustadora.

No mesmo filme – Psicose – há outra grande cena. O detetive, Martin Balsam, entra na casa de Norman Bates/Anthony Perkins. Sobe a escada e a cena começa pelos pés dele, mas logo a câmera faz um movimento vertical para pegar o ângulo de cima. Uma porta se abre e, de novo, a morte a facadas, enquanto Balsam vai caindo, de costas. Conta a lenda que Hitchcock pediu a Saul Bass, notório autor de cenas de crédito, que planejasse os dois assassinatos, mas não ficou satisfeito e dirigiu as duas cenas com o brilho que o cinéfilo sabe.

O ataque do avião em 'Intriga Internacional', de 1959

Cary Grant é atraído para um local deserto, mas claro. Dia de sol, paisagem aberta. Um avião furmigador despeja veneno na plantação, mas de repente muda o curso e vem para cima de Grant, que corre na estrada.

'O Homem Que Sabia Demais', o remake de 1955

O filho de James Stewart e Doris Day foi sequestrado para forçar o casal a participar de um assassinato político. O clímax será durante concerto no Albert Hall, em Londres. Dois momentos para construir a tensão na mesma ceba. Doris canta Che Sera, para tentar localizar o filho e provocar a reação da criança. E a música avança, o crime será cometido quando os pratos baterem, para sufocar o tiro. A cena vai num crescendo. Música, partitura, o desespero de Doris. O momernto aproxima-se. O músico que toca os pratos, sem saber, é o assassino! E Doris, o que fará?

'Pacto Sinistro', de 1951 

Robert Walker propõe a Farley Granger um duplo homicídio. Cada um cometerá um crime para o outro, mas de tal forma que não levantarão suspeitas e permanecerão impunes. Na verdade, são duas cenas no mesmo filme. Qual a melhor?

O assassinato no parque de diversões, visto pelas lentes dos óculos da vítima?

Ou a partida de tênis, quando a câmera reproduz o ângulo do público, olhando para cada jogador e seguindo o movimento da bola, menos um, que fica com o olhar fixo. Por quê?

'Suspeita', de 1941

Joan Fontaine suspeita que o marido, Cary Grant, está querendo matá-la. Ele sobe a escada com o copo de leite, que pode estar envenenado. Para aumentar o suspense infernal, Hitchcock colocou uma lâmpada dentro do copo. O brilho é quase insuportável. Mas será um brilho de morte?

'A Festa de Interlúdio'/'Notorious', de 1946

Para muitos críticos, é o melhor filme do mestre. Ingrid Bergman ama Cary Grant, mas termina aceitando tarefa do FBI. Instala-se na casa de Claude Rains e até aceita casar-se com ele para tentar provar que é espião nazista e o segredo da bomba atômica, o urânio, está escondido na adega da casa. Na tal festa, ações ocorrem em toda a casa, mas Ingrid e Grant encontram-se na adega e Rains está vindo para pegar mais vinho. Encontrará ele os amantes? E o casal encontrará o urânio escondido numa garrafa?

'Disque M para Matar', de 1954

Na adaptação da ópera de Frederick Knott, Ray Milland contrata profissional para matar sua mulher, mas Grace Kelly vira o jogo, matando seu quase assassino com uma tesoura. A grande angular que Hitchcock usa para filmar a tesoura distorce a imagem e cria um efeito alucinante em 3D. Mesmo com 2D, impreessiona e é considerada de mestre.

'Janela Indiscreta', de 1954

James Stewart faz fotógrafo que fica imobilizado em casa, devido a acidente, e descobre um crime ao bisbilhotar a vizinhança com sua teleobjetiva. Um homem matou a mulher, e matou o cachorro que sabia demais e poderia denunciá-lo. A cena em que a dona do cachorro desespera-se e os vizinhos vão para as janelas, menos o assassino, que permanece fumando seu charuto nas sombras, antecipa aquela em que Stewart envia a namorada à casa do criminoso, em busca de provas. Conseguirá ela? E conseguirá Stewart salvar-se quando Raymond Burr vai atrás dele, para matar?

'Um Corpo Que Cai', de 1958

Kim Novak cai duas vezes para a morte. O movimento combinado de travelling avante e para trás nos projeta nas sensações de Scottie, quando corre atrás de Madeleine e não consegue salvá-la. Na verdade, não conseguiria. É tudo um plano de assassinato, e ele está lá, com sua vertigem, para fornecer o álibi. A descoberta da real identidade de Judy/Madeleine cria a tragédia. Para muitos críticos, é o maior Hitchcock e o melhor filme do cinema. Mas será a melhor cena? Com a palavra, o público.

'Os Pássaros', de 1963

Uma das cenas mais clássicas de Hitchcock. A pequena cidade de Bodega Bay, na Califórnia, é atacada por milhares de pássaros. Os pequenos estudantes da escola local não são poupados.

 

Vote

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Alfred Hitchcockcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.