Danilo Moralles se reergue ao som de Belchior com versão cheia de beats de ‘Sujeito de Sorte’; assista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Danilo Moralles se reergue ao som de Belchior com versão cheia de beats de ‘Sujeito de Sorte’; assista

Pedro Antunes

23 de fevereiro de 2018 | 16h23

Numa festinha no centro da cidade, organizada para celebrar a passagem de 2017 para 2018, a música escolhida para ser ouvida no momento da virada, no terraço daquele prédio erguido, imponentemente, na Avenida São João, no centro de São Paulo, foi Sujeito de Sorte, de Belchior.

Danilo Moralles (Foto: Sillas Henrique)

Ali, enebriados talvez pelos espumantes, cervejas e ou o que quer que houvesse naqueles copos, jovens de seus 20 e muitos e 30 e poucos anos entravam em combustão, entre abraços, beijos e promessas de um ano muito melhor do que o anterior.

+++ Danilo Moralles sente as dores e alegrias da vida noturna no disco ‘Voodoo Prazer’

Há em Belchior e nesta música, especificamente, um sentimento de que tudo é possível, de que as dores ficam, reerguemos-nos, seguimos em frente. “Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro”, afinal, cantava Bel, morto em 30 de abril de 2017.

Danilo Moralles, artista que lançou também no ano passado seu disco de estreia, Voodoo Prazer, encontrou nas palavras escritas por Belchior, sempre de forma tão visceral e entregue, a chave para destravar as loucuras de uma (ou muitas) noite(s) tratadas em seu álbum.

Por isso, quando reunia suas canções autorais para a gravação do disco, editado pela Joia Moderna, sentiu um estalo: Belchior se encaixaria ali.

+++ Siga o autor e conheça o ‘Tem um Gato na Minha Vitrola’, um programa de música feito diretamente nos stories do Instagram

“É um disco de relações, de mágoas, de frustrações, de vazio…”, conta o músico. “Belchior trazia esse sentimento de esperança. Ele deixaria as coisas mais leves.”

Voodoo Prazer traz a voz quase andrógena de Moralles a narrar uma jornada noturna bastante intensa, embriagada por beats, sons sintéticos e loopings.

Sujeito de Sorte, de Bel, é a luz necessária nessa história, ainda que a poesia do músico cearense também traga algo de solitário.

Há, na obra dele, uma sensação de vazio que só entende quem já virou alguma madrugada sozinho, num boteco que serve cerveja em copo americano mal lavado, com iluminação excessivamente amarela e toque exaustivamente as músicas de Belchior nas caixas de som.

Moralles insere Sujeito de Sorte no seu mundo, com o auxílio de Marcos A.S., produtor, arranjador e responsável pela mixagem do trabalho. Bel está eletrônico, dançante.

+++ Danilo Moralles vive a noite quente em primeiro disco – e tem até Belchior revisitado

O blog lança, com exclusividade, o clipe de Sujeito de Sorte, cuja direção é de Sillas Henrique e Ana Alexandrino assina a direção de fotografia.

No vídeo, Moralles dança, renasce, reergue-se, ungido pela força que vem dos versos de Belchior. Dança na paisagem da cidade de Paranapiacaba, entre ruínas. “É uma cidade que tem algo de bucólica, né?”, comenta o músico.

Para celebrar a chegada do novo clipe, o artista se apresenta na Breve (Rua Clélia, 470, em São Paulo), nesta sexta-feira, 23, a partir das 19h. Gustavo Galo encerra a turnê do disco dele, Sol, na mesma noite.

Assista ao vídeo de Sujeito de Sorte, de Danilo Moralles:

(A festa descrita acima é verdadeira, embora os detalhes posteriores à virada já me escapem. Isso significa que a farra foi ótima)

Tendências: