Pompeia, bairro na zona oeste de São Paulo, ganha Livraria Miúda – e isso é só o início
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pompeia, bairro na zona oeste de São Paulo, ganha Livraria Miúda – e isso é só o início

Espaço abre as portas como livraria, mas quer se tornar um lugar de formação, de convivência e de encontros

Bia Reis

16 de outubro de 2021 | 19h47

Tereza (à esq.) e Júlia: amigas professoras abrem a Miúda, Livraria e Café, na Pompeia. Crédito: Bia Reis

Até pouco tempo atrás, quem caminhava pela Rua Coronel Melo de Oliveira, entre as Ruas Doutor Augusto de Miranda e Raul Pompeia, na Pompeia, zona oeste de São Paulo, passava por sucessivas casinhas dos anos 40, todas parecidas uma com a outra. Mas isso ficou para trás. Passe pelo local agora e você verá uma bem colorida – azul, rosa, laranja e amarelo – com a placa Miúda, Livraria e Café. Entre, você não vai se arrepender.

Idealizada ao longo de anos pelas professoras Júlia Souto e Tereza Grimaldi, a Miúda abriu as portas neste sábado chuvoso, 16, com as estantes forradas de livros, papel pardo e carimbos para os embrulhos, café quentinho e muitos sonhos à vista. “A narrativa principal é a literatura para a infância, mas queremos ser um espaço cultural, um lugar de encontro, de formação”, diz Júlia, antecipando os passos já ensaiados.

Vitrine da Livraria Miúda, vista de dentro para fora. Crédito: Bia Reis

Tereza conta que conheceu Júlia em uma escola onde lecionaram juntas. “Foi pela escola e pelas crianças que cheguei aos livros”, afirma ela, professora de artes visuais que também trabalhou em educativo de museus, em meio aos cerca de 2 mil títulos que recheiam a sua Miúda.

Na Miúda, a palavra central é bibliodiversidade, a diversidade cultural aplicada ao universo dos livros. “Queremos que meninos, meninas e menines se sintam representados e quem é do livro também. Vamos dar espaço para autores, ilustradores e editoras em sua diversidade, sejam grandes ou pequenos”, fala Júlia.

Espaço interno da Miúda: casa dos anos 40 foi preservada na adaptação. Crédito: Bia Reis

Na Miúda, não há separação por faixa etária: os livros são agrupados por temas, por ideias, por conceitos. Há prateleiras, por exemplo, para família, monstros, medo. Há também espaço para poesia, livro-imagem e para alguns autores muito especiais, como Ana Maria Machado e Roger Mello.

E aí, nos vemos lá? :o)

Café, no fundo da casinha: espaço para encontros e convivência. Crédito: Bia Reis

 

Ah só mais duas coisas:

Queria compartilhar com vocês um texto lindo e cheio de afeto sobre a Miúda, feito pelo Yuri de Francco, escritor, professor e mediador de leitura, publicado no blog Esconderijos do Tempo, da Cris Rogerio. Para ler, clique aqui.

E compartilho também um texto que escrevi no dia das crianças sobre outra livraria dedicada à literatura infantil, a Pé de Livro, que também abriu as portas na Pompeia, há cerca de dois meses. Para ler, clique aqui.

Serviço
Miúda, Livraria e Café
Rua Coronel Melo de Oliveira, 766 – Pompeia
Horário de funcionamento: De terça a sábado, das 11h às 19h

Tudo o que sabemos sobre:

Livraria

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.