Relatório de engenheiros deve servir à defesa de Laurence Casagrande

Relatório de engenheiros deve servir à defesa de Laurence Casagrande

Sonia Racy

22 de junho de 2018 | 01h00

LAURENCE CASAGRANDE

LAURENCE CASAGRANDE. FOTO: JB NETO/AGÊNCIA ESTADO

Documento ao qual a coluna teve acesso, ontem, assinado por três “engenheiros notáveis” de uma Junta de Conflitos, deve ser usado na defesa de Laurence Casagrande, ex-Dersa e ex-secretário de Alckmin, preso ontem pela PF.

São 18 laudas enviadas à Dersa, nas quais a Junta – exigência do BID para financiar o projeto – constata que o cálculo dos custos do Rodoanel, nos trechos da OAS, é questão extremamente complexa.

Lembram os engenheiros Enio Gazolla, Eduardo Rottmann e Lineu Ayres da Silva, entre outras, que o edital de qualificação para a obra é de 2011 mas o estudo detalhado do solo é de 2016.

Ao longo da obra, constatou-se que a quantidade de grandes blocos de rocha pelo caminho (matacões) “foi exponencialmente superior” à esperada. A disparidade entre o total de escavação prevista e o real “chega a cerca de 600% da planilha contratual”.

Conclusão do time: os aditivos ao custo original eram inevitáveis. Mencionam que a lei de licitações exige no projeto básico “a identificação dos tipos de serviço a executar, materiais e equipamentos”. O que não foi feito.

E, por fim: o edital, enfatiza o relatório, tampouco fala em preços máximos ou preços mínimos da obra.

Leia mais notas da coluna:

Rubens Barbosa alerta para dois fatos do recuo de Trump

Cármen Lúcia não vai se aposentar ao sair da presidência do STF

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: