Rubens Barbosa alerta para dois fatos do recuo de Trump

Sonia Racy

21 Junho 2018 | 01h00

A ordem executiva de Trump, ontem, para manter juntas as famílias detidas como imigrantes ilegais, “foi forma de corrigir a separação entre pais e crianças que estava dividindo o país”, observa Rubens Barbosa.

Porém, o diplomata, que foi embaixador nos EUA na era FHC, alerta para dois fatos.

Primeiro, o presidente amaciou as regras contando com a aprovação pelo Congresso de outro texto mais duro. Segundo, Trump sabe que democratas e republicanos, de olho nas eleições de novembro, “farão o que espera a maioria do seu eleitorado”.

Defensores de Trump sustentam que ele estava “apenas cumprindo uma lei de Obama” ao manter as crianças detidas e separadas de seus pais.

Houve, de fato, uma atualização de regras em 2014 destinada a lidar com a entrada de terroristas no país.

Leia mais notas da coluna:

Elena Landau critica sugestão de intervenção no futebol

Brasileiros recebem refugiados para assistir aos jogos do Brasil