Sergio Castro/ Estadão -23/11/2015
Sergio Castro/ Estadão -23/11/2015

Quentin Tarantino se desculpa por defender Polanski em caso de estupro

'Não considerei os sentimentos da vítima e por isso estou realmente arrependido', afirmou ele

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 18h42

O diretor Quentin Tarantino pediu desculpas por suas declarações, feitas em uma entrevista com Howard Stern, em 2003, sobre o caso de estupro envolvendo o cineasta Roman Polanski e a atriz Samantha Geimer, que à época tinha 13 anos.

+++ Tarantino admite erros em acidente de Uma Thurman durante 'Kill Bill 2'

Na entrevista, Tarantino afirmou que o caso "não deveria ser classificado como estupro. Não com uma garota festeira de 13 anos". O cineasta reconhecia que Polanski não deveria ter feito sexo com Geimer, mas argumentava que "a relação foi consensual".

+++ 'Você se sente um animal se contorcendo', diz Uma Thurman sobre assédio

Na nova declaração, Tarantino diz que quer se desculpar "publicamente para Samantha Geimer por meu comentário arrogante sobre ela e o crime que foi cometido". "Quinze anos depois, eu percebi o quão errado eu estava", cravou o diretor. "Não considerei os sentimentos da vítima, e por isso estou realmente arrependido. Srta. Geimer, eu fui ignorante, insensível e, acima de tudo, estava errado. Eu sinto muito, Samantha", concluiu ele.

+++ Atriz Uma Thurman detalha abuso sexual de Harvey Weinstein

"A Srta. Geimer foi estuprada por Roman Polanski. Quando Howard tocou no assunto, eu defendi o lado errado da situação simplesmente para ser provocativo", ele acrescentou. “Não considerei os sentimentos da vítima, e por isso estou realmente arrependido. Srta. Geimer, eu fui ignorante, insensível e, acima de tudo, estava errado. Eu sinto muito, Samantha.”

+++ Leonardo DiCaprio vai estrelar novo filme de Quentin Tarantino

Essa foi a segunda polêmica envolvendo Tarantino na mesma semana. Em uma reportagem do The New York Times, a atriz Uma Thurman revelou que sofreu um acidente durante a rodagem de Kill Bill: Vol. 2, em uma cena na qual deveria conduzir um carro por um caminho no meio da selva.

A atriz explicou que não se sentia confortável com a ideia de rodar essa cena e por isso pediu um dublê de ação, mas assegurou que Tarantino a pressionou para que fizesse, afirmando que não havia perigo.

O diretor Quentin Tarantino admitiu os erros que cometeu no planejamento da cena. "Disse que estaria bem. Disse que a estrada era toda reta. Disse que seria seguro. E não era. Estava errado. Não a obriguei a subir no carro. Ela entrou no carro porque confiou em mim", disse Tarantino em uma entrevista ao site Deadline.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.