Ministro quer classificação indicativa também para exposições

Sonia Racy

05 Outubro 2017 | 12h32

SÉRGIO SÁ LEITÃO, MINISTRO DA CULTURA /FOTO ADRIANA MACHADO / REUTERS

O ministro da Cultura, Sergio Sá Leitão, negou esta manhã que tenha declarado, em reunião com políticos ontem, que as exposições QueerMuseu, em Porto Alegre, e La Bête, no MAM, em São Paulo, sejam “criminosas”. Em nota oficial, Leitão afirmou que o episódio mostrado em vídeo, deste segundo evento, “fere o Estatuto da Criança e do Adolescente” – acrescentando que essa avaliação “é compartilhada por diversos juristas e psicólogos”.

O texto do ministro expõe o que ele pensa do assunto em 11 itens, nos quais lembra que “a liberdade de expressão está garantida pela Constituição” e que os produtores de eventos “têm o direito de escolher livremente o que vão exibir”. Em outro item, no entanto, ele afirma que “o MinC defende a expansão do sistema de classificação indicativa para a área de exposições”.

Leia mais notas da coluna:

Qual a opinião de Andre Sturm, secretário de Doria, sobre MAM?

‘O difícil é agradar a todos e contar com o bom senso’, diz Bia Doria

Instituições defendem MAM e sofrem retaliação nas redes