BLAD MENEGHEL
BLAD MENEGHEL
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Xuxa rende 10 pontos à Record e 22 milhões de impressões no Twitter

Apresentadora transita com segurança em cenário gigante, mas atração ainda se mostra uma colcha de retalhos

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2015 | 21h18

A Globo programou um Duro de Matar ainda inédito na TV aberta para enfrentar a estreia, na concorrência, da ovelha que abandonou seu rebanho. Na primeira noite de Xuxa Meneghel na Record, a novela das 9 na Globo se estendeu um bocadinho, atrasando a novela das 11 e a chegada de Bruce Willis. A artilharia dá a dimensão de alguma preocupação com o que viria do outro lado. A avaliação do dia seguinte, nos bastidores do alto escalão da “antiga casa”, para usar um termo adotado pela própria Xuxa, é de que falta repertório ao programa – para não dizer à apresentadora.

Isso não nos impede de ver que a loira parece estar em sua melhor fase desde que aposentou a nave, as chuquinhas e o par de botas brancas. A Record tem o principal em mãos: o elenco – ainda que seja elenco de uma pessoa só. Convém notar que não há assistente de palco, não há banda, não há paquitas, só fãs a idolatrar a estrela única.

Xuxa circula com segurança num cenário de 280 metros quadrados, um latifúndio para os padrões televisivos, e sustenta um discurso mais maduro, que se distancia como nunca do tom infantilizado de outrora – a exceção foi quando pessoas com sacos de pão na cabeça surgiram na plateia para representar os convidados da Globo que não foram autorizados a ir até lá. Dispensável.

E, mérito dos méritos da autoconfiança, Xuxa aprendeu a rir de si, conquista rara para figuras que o público vê como intocáveis. Na estreia, sacou do YouTube um dos vídeos que abastecem as chacotas em torno dela. “Vai sentar, Cláudia!”, diz Xuxa no filme, obra dos tempos da TV Manchete, quando ela, sem assistentes e jeito com crianças, tenta tirar uma menina do caminho. Cláudia, soubemos nessa segunda, chama-se, na verdade, Érica, e foi convidada de estreia no programa da Record, onde ganhou um pedido de desculpas e uma cadeira cativa para ir se sentar por lá quando quiser. Quase 30 anos de Globo e só agora ela consegue rir da situação, reparando a falha.

A apresentadora de língua solta que diz que o namorado é um sapo “porque gosta de perereca” tem tudo a ver com a referência citada por ela à exaustão, dona Hebe Camargo. A inspiração em Ellen De Generes é evidente, do figurino à performance física de quem explora o cenário, quase um plágio autoconfesso. Mas não há como sustentar um programa semanal promovendo sempre encontros com fãs que vão tremer e se desmanchar em lágrimas na sua frente. Diferentemente do que prometeu o diretor Mariozinho Vaz, que anunciou uma surpresa com os convidados da estreia, o elenco de Os Dez Mandamentos falou, sim, da novela, e Alexandre Pires cantou, sim, a música do último disco.

Na estreia, e o diretor também havia dito isso, a estrela foi a própria Xuxa. Compreensível. Para os programas a seguir, no entanto, será preciso costurar essa colcha de retalhos e surpreender. Por mais que a espontaneidade tenha seu valor, é preciso conteúdo e alguma ordem na aparente desordem.

A audiência respondeu muito bem. Na Grande São Paulo, a Record registrou 10 pontos de média, índice superior aos últimos programas que ela fez na própria Globo, com 84% de crescimento em relação às semanas anteriores. No Rio, a média chegou a 11, o que significa 118% de progresso. No Twitter, a estreia atingiu mais de 22 milhões de impressões, das 22h de segunda às 2h15 de terça. O maior pico de Tweets por Minuto (TPM) aconteceu às 22h46, justamente quando Xuxa relembrou o episódio da TV Manchete com Érica. O segundo pico veio às 22h56, quando Xuxa simulou ser entrevistada por Ellen DeGeneres (@TheEllenShow), sensação de quem agora tudo pode.

Mais conteúdo sobre:
XuxaRecord

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.