HBO
HBO

'Westworld': 'Primeira temporada é só a ponta do iceberg', diz Rodrigo Santoro

Segundo ano da série da HBO estreia neste domingo, 22, às 22h

Mariane Morisawa , Especial para o Estado

17 Abril 2018 | 06h01

LOS ANGELES - Se Westworld deu um nó na sua cabeça na primeira temporada, prepare-se para mais na segunda. Pelo menos é o que prometem os envolvidos com a série, que volta domingo, 22, às 22h, na HBO. Como o brasileiro Rodrigo Santoro, que faz o pistoleiro e ladrão Hector, um dos anfitriões (seres sintéticos criados para entreter humanos no parque do Velho Oeste chamado Westworld).

“A primeira temporada era só a ponta do iceberg”, disse em entrevista ao Estado em Los Angeles. “Há muito a explorar: o que existe no parque, o que está além do parque, a empresa Delos, que controla o parque. É bem mais amplo. Se você acha que viu muito na primeira, o escopo é completamente diferente na segunda.” 

Uma das partes desse universo ampliado é o Shogunworld, com samurais e tudo, mostrado no último trailer. O bandido Hector se reencontra com Maeve (Thandie Newton), que no episódio final desistiu da oportunidade de sair de Westworld para procurar sua filha. Enquanto isso, Dolores (Evan Rachel Wood), que descobriu ter tido sua personalidade misturada ao cruel Wyatt e atirou nos humanos numa festa da empresa Delos no último capítulo, sai em busca do seu destino de autodeterminação ao lado de seu fiel Teddy (James Marsden) – pelo menos isso é o que acha, porque existe chance de tudo ser parte de outra narrativa criada pelo Dr. Ford (Anthony Hopkins, que em princípio não volta para esta temporada depois de levar um tiro na cabeça).

“Estava muito empolgada de descobrir esse novo lado dela e explorar quem é Wyatt e como seria agora que sua personalidade mesclou com a dele”, disse a atriz Evan Rachel. “Todo mundo ficava dizendo: ‘Ah, vai ser tão divertido! Os vilões são tão divertidos de interpretar!’. Embora ela não seja heroína nem vilã na verdade, mas uma rainha do caos, quando comecei a fazer, percebi que era difícil, sombrio e desafiador. Porque na série tentamos fazer tudo ser realista e não gratuito, sem glorificar nada. Então ela não sai atirando em tudo por diversão, como um caubói.”

Teddy, por sua vez, tomou consciência sobre sua real situação graças a Dolores – mas agora precisa redefinir sua identidade. Ele vai segui-la em sua jornada de rainha do caos? “Seu renascimento é no meio dessa bagunça”, afirmou Marsden. Para ele, as palavras definidoras desta segunda temporada são: revolução, sobrevivência, mudança e escolhas. 

Bernard (Jeffrey Wright) é outro que precisa redefinir-se, depois de descobrir que não era um humano responsável por trabalhar nos anfitriões, mas um anfitrião também. “Ele está dividido entre as diferentes lealdades, os diferentes lados de si mesmo e desse caos. Ele achava que tinha uma vida de humano. Mas não era exatamente o caso. Só que ele tem proximidade com os dois lados. Ele tem muita coisa para resolver. E ainda lida também com problemas cognitivos depois de levar um tiro. Seu cérebro não está em sua melhor forma.”

+++ Análise: 'Westworld' usa as teorias a seu favor e rompe com o conceito de humanidade

Sua relação com Dolores, que sempre foi especial, pode ou não continuar sendo a mesma. “Não sabemos se a atitude de Dolores foi um ato de livre-arbítrio ou foi programação humana. Os anfitriões também tiveram muitas interações ruins com humanos, e pode ser que tenham de responder por isso. Essas questões todas estão ali”, lembrou Wright. Mas este é um dos novos segredos da série, que promete deixar a internet em polvorosa com novas teorias. 

ENTREVISTA

Jefrrey Wright: 'Queria avaliar as implicações da tecnologia'

Como Westworld se encaixa neste mundo?

A série vai começar a examinar intenção e controle por trás da tecnologia. Queria explorar quais são as implicações da tecnologia e como ela está sendo manipulada não tanto por governos, mas por corporações. O que está de fato acontecendo aqui? É uma questão social ou de lucro? E obviamente é de lucro. 

A série é cercada de segredos. Afeta sua vida privada não poder falar nada?

Não converso sobre a série. As revelações e as camadas da série têm um propósito. Não são gratuitos. Eles estão ligados aos temas da série, em relação à tecnologia e tal. Não queremos estragar isso. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.