João Miguel/Divulgação
João Miguel/Divulgação

Uma história para chamar de sua

Lara deixa Cinquentinha para ganhar status de protagonista

Thaís Pinheiro - O Estado de S.Paulo,

06 Abril 2011 | 06h00

Em meio a tantas novidades na grade da Globo, mais uma chama atenção. Lara com Z, de Aguinaldo Silva, que estreia quinta-feira, às 23h15, é o primeiro caso de spin off (quando uma série se desdobra em outra) brasileiro. De Cinquetinha, minissérie que foi ao ar em dezembro de 2009, o autor destacou um núcleo que ganharia novos rumos.

A escolhida foi justamente Lara Romero, interpretada por Suzana Vieira, amiga de longa data de Aguinaldo. "Esse foi o personagem que me pareceu mais popular e que tinha condições e histórias para segurar um seriado", explicou.

Continuam nesta nova fase as filhas de Lara, o motorista e a empregada da casa. A surpresa fica por conta da participação mais do que luxuosa de Beatriz Segall, que pode ser vista como a famosa Odete Roitman, de Vale Tudo, pelo Canal Viva. E ela vai encarar, outra vez, uma vilã. "Não faço mais novelas, é muito desgastante. E só aceitei fazer este trabalho porque o Wolf Maya me convenceu", completa a atriz. Sua personagem, Maria Beatriz, é a matriarca de uma família tradicionalíssima e vai defender seu neto a todo custo. O perigo eminente é que o namoro dele com a filha de Lara dê certo. Seria o fim!

Humberto Martins também entra na série para trazer o amor que faltava à vida da protagonista. E um pouco mais de confusão. Funcionário do Tribunal de Contas da União, ele precisa investigar o que Lara fez com o dinheiro que captou para fazer um filme. Com a verba, ela comprou o Teatro João do Rio e agora está prestes a encenar Macbeth, de William Shakespeare.

Com 14 episódios encomendados - e prontos - Aguinaldo Silva revela que tem a intenção de fazer, no mínimo, mais duas temporadas de Lara com Z, mas só depois Fina Estampa, sua próxima novela das 9, com estreia prevista para agosto.

"Adoro fazer seriado, mas agora tenho a novela. Acho que o Brasil ainda não faz seriados, temos uma coisa meio sitcom, meio baseada em esquetes. Um seriado que vejo e revejo é Os Sopranos. Pra fazer Cinquentinhas, pensei muito na série em Donas de Casas Desesperadas, porque aquilo é quase uma novela", finaliza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.