Priscila Prade
Priscila Prade

Uma bem-sucedida parceria em família

Bruna Lombardi, Carlos Alberto e Kim Riccelli estreiam série 'A Vida Secreta dos Casais' na HBO

Pedro Rocha, O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2017 | 06h00

O casal Bruna Lombardi e Carlos Alberto Riccelli, com o filho Kim, já acumula três filmes, como o mais recente Amor em Sampa (2016). A parceria deu tão certo que os três agora embarcam juntos numa nova aventura, a série A Vida Secreta dos Casais, que estreia neste domingo, 1.º, às 22h, na HBO Brasil, que estará com sinal aberto. 

“A gente encontrou um jeito de trabalhar e viver que deu muito certo”, diz Bruna, estrela e roteirista da série, em entrevista ao Estado. Foi dela a ideia inicial para a trama, concebida com a ajuda da família. Em A Vida Secreta dos Casais, o público vai acompanhar algumas histórias em paralelo, com temas polêmicos e suspense. “Gosto de ir para onde ainda não fui, nunca tinha feito um thriller.”

A ideia foi enviada para a HBO de uma forma não muito convencional, mas que agradou. “Em vez de mandar um documento escrito padrão, ela mandou um áudio, falando já como a sua personagem, Sofia, contando toda a série”, revela Roberto Rios, vice-presidente Corporativo de Produções Originais da HBO Latin America. 

Sofia é a diretora do Instituto Tantra, um centro alternativo de terapias sexuais para casais. É lá que ocorre um crime misterioso, que envolve um banqueiro (Paulo Gorgulho), que tem grande influência no governo. Com a investigação, aparecem as figuras do detetive Luís, papel de Riccelli – que assina ainda a direção com Kim –, e o jornalista Vicente, vivido por Alejandro Claveaux. Letícia Colin, Hugo Bonemer e Virginia Cavendish completam o elenco.

“A série fala sobre o poder em todas as suas instâncias”, explica Bruna. “A gente não quis nada gratuito, nada para chocar, a ideia do sexo é justamente pela naturalidade. O sexo é também um dos grandes poderes do mundo, mas não na venda, é um poder intrínseco, vital.”

A atriz teve recentemente um vídeo viralizado, em que entrevista Donald Trump nos anos 1990 e o questiona sobre se tornar presidente dos Estados Unidos. “As pessoas falaram que eu fui clarividente.” Para a série, que traz o tema da corrupção na política brasileira, Bruna também fez algumas previsões. “A série foi escrita antes de muitos acontecimentos, acho que a vida imitou a arte, tinha até impeachment”, evento que, depois de se tornar realidade, foi riscado da trama. 

Todo o suspense visto na série foi repassado também para o elenco. “Não recebemos o roteiro completo. Foi um teste não saber tudo o que acontece”, diz Claveaux. “Ator e personagem se misturam no desejo de descobrir a verdade. Não sabemos quem está envolvido.”

Como a série se divide em dois núcleos, Carlos e Kim Riccelli dividiram, também, a direção. “O Tantra foi todo feito pelo Kim, ficou muito bonito”, diz o pai orgulhoso. “Começamos com meu nome em primeiro lugar na direção-geral, mas no decorrer do processo ele foi tomando as rédeas, até por eu estar também como ator.”

Mais conteúdo sobre:
Televisão Bruna Lombardi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.