Globo
Globo

'Um Lugar Ao Sol' termina marcada por abordar temas delicados

A autora Lícia Manzo tratou de gordofobia a cancelamento feminino com clareza e honestidade

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

22 de março de 2022 | 20h00

A noite da sexta-feira, 25, não marcará simplesmente o final de mais uma novela da Globo: encerrada, Um Lugar ao Sol terá fechado um raro ciclo entre os folhetins da emissora, pois temas incomuns, como gordofobia, liderança feminina, homofobia, foram tratados de forma direta, adulta e sem apelação.

O bem-sucedido resultado foi fruto de interpretações seguras, direção inspirada e, principalmente, do texto bem articulado da teledramaturga Lícia Manzo, de 56 anos. Com diálogos precisos e cenas de alta capacidade dramática, ela escreveu uma novela que deverá figurar entre os grandes títulos da teledramaturgia brasileira.

A história do rapaz pobre que assumiu a posição do irmão gêmeo rico e morto (personagens de Cauã Reymond) sem que quase ninguém soubesse, a fim de alcançar uma prosperidade inatingível, foi o ponto de partida para Lícia traçar uma sociedade basicamente carioca (mas universal na essência) movida por desejos, frustrações, crimes, mas também amor e amizade.

“O protagonista, Christian, é um homem bom que se corrompe ao desejar a riqueza e assumir a posição do irmão rico, Renato. Ele se perde e vai enlouquecendo progressivamente”, conta Lícia ao Estadão, em conversa por telefone. “Na internet, percebi que as pessoas buscavam explicações binárias: ele é bom ou é mal? Pensar é difícil, é mais fácil julgar.”

 

O rapaz, com nova identidade, passa a frequentar o mundo da riqueza, protagonizado pelo empresário Santiago (José de Abreu) e suas três filhas: Rebeca (Andrea Beltrão), Nicole (Ana Baird) e Bárbara (Alinne Moraes) – todas padecendo, em diferentes graus, da indiferença paterna durante a infância.

Há uma inevitável presença shakespeariana aqui, notadamente a tragédia de Lear, o rei que decide se afastar do trono e dividir o seu reino entre suas filhas. Na novela, porém, nenhuma das moças reúne condições para assumir a rede de supermercados do pai, função que, durante um tempo, termina nas mãos de Christian/Renato, principalmente por ter se casado (por interesse) com Bárbara. “A estrutura da peça Rei Lear é, de fato, muito forte”, conta Lícia, que desenvolveu (junto a uma equipe de roteiristas colaboradores) as características de todos os personagens.

 

Ambíguas

Assim, enquanto Bárbara acredita que pode mudar o outro, Nicole está sempre disposta a acender a loucura familiar e a gordofobia. “Já Rebeca é o retrato do cancelamento da mulher a partir de certa faixa etária”, explica Lícia. “Na verdade, são pessoas muito ambíguas, por isso foi um desafio manter a coerência psicológica dos personagens.”

É justamente a observação da complexidade humana que tornou a novela tão singular, especialmente pela opção da autora em escrever uma trama a partir da intimidade, do particular. “O fato importa menos que a repercussão desse fato no indivíduo.”

Lícia acredita que teve relativa facilidade para trilhar esse caminho graças ao seu conhecimento da obra de Clarice Lispector, autora especializada em dissecar a alma humana. “A subjetividade dos personagens sempre me interessou. Ali surgem figuras mais humanas.”

 

A escrita da novela começou há quatro anos, quando uma reportagem sobre os sonhos de garotos de um orfanato a comoveu, inspirando-a também a imaginar uma trama com dois gêmeos com destinos distintos – um vai para o abrigo, enquanto o outro é adotado por uma família rica. “Assim, quando Christian decide assumir a identidade do irmão morto, acontece a fusão dos personagens, o que me permitiu tratar de questões como integridade, ética, desigualdade social.”

Com a pandemia, Lícia teve mais tempo para criar – cada capítulo consumiu três dias de trabalho. “Cheguei a levar duas horas para escrever uma cena”, relembra ela, favorecida por uma decisão da Globo: a novela foi toda gravada antes de estrear. Se isso ajudou na organicidade, também impediu os desvios habituais na trama, motivados pelo humor do público à medida que a novela é exibida.

Isso pode explicar a tímida performance da audiência: apesar de líder no horário, o folhetim atingiu 22 pontos na média nacional, abaixo do pior resultado da faixa (Babilônia, de 2015). 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.