Divulgação
Divulgação

Um clima quente surge entre Michael Douglas e Matt Damon

Atores estrelam telefilme ‘Behind the Candelabra’, que venceu 11 prêmios Emmy

João Fernando, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2013 | 20h25

Assistir a cenas tórridas do próprio marido com outro homem poderia deixar algumas mulheres incomodadas, mas Catherine Zeta-Jones se divertiu ao ver o (então?) amado, Michael Douglas, dar uns amassos em Matt Damon no telefilme Behind the Candelabra, vencedor de 11 prêmios no último Emmy, com exibição marcada para sábado, às 22 horas, na HBO.

“O filme a fez rir. Ela achou que foi um grande trabalho”, contou Michael Douglas durante o Festival de Cinema de Cannes deste ano. No longa, dirigido por Steven Soderbergh, o ator encarna o pianista Wladziu Liberace (1919-1987), que teve um relacionamento tumultuado com Scott Thorson (Damon), no final da década de 1970. O artista, que se apresentava com roupas exageradas em shows em Las Vegas e no resto dos EUA, sempre tocava piano com um candelabro em cima do instrumento, daí o nome do filme, que em livre tradução significa por trás do candelabro.

Após uma de suas apresentações, ele conheceu Scott no camarim e se interessou pelo rapaz – com mais de 30 anos de idade de diferença –, que contratou como assistente pessoal em sua casa. Os dois engataram um namoro, que terminou mal.

Os atores revelam não ter pensado duas vezes na hora de aceitar o convite. “Adoro quando o Michael diz que foi um papel corajoso para mim, mas não para ele. Para mim, foi uma oportunidade incrível”, analisa Matt Damon. “O roteiro veio quando eu estava me recuperando do câncer (na garganta). De repente, vi que estava em um dos melhores momentos da minha carreira com a chance de trabalhar com gente de que gosto”, afirma Douglas.

As cenas quentes, em que ambos aparecem nus, eram motivo de piada entre os atores. “Eu dizia: ‘Prepare o protetor labial, estou chegando!’. Em uma das cenas, depois de ele me beijar, eu apertei o bumbum dele, mas ele não sabia que eu ia fazer isso. Acidentalmente, a poltrona começou a sair do lugar. Foi divertido”, relembra Michael Douglas.

Na estranha relação de Liberace com Scott, ele fez com que o amado passasse por cirurgias plásticas para que ambos tivessem fisionomia semelhante. O resultado na tela impressiona, porém, deu trabalho à equipe de caracterização. “Michael e eu ficávamos por cerca de duas horas na maquiagem, enquanto colocavam as próteses em nós. Quando saíamos de lá, estávamos com os rostos tão diferentes do real que quase não nos reconhecíamos”, relembra Damon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.