Um casório como qualquer outro

'Brothers & Sisters' chega ao final arrancando lágrimas com o casamento de Kevin e Scotty

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 22h30

. Além de Grey's Anatomy e Extreme Makeover - Reconstrução Total, outra série faz o espectador chorar: Brothers & Sisters. No episódio que encerra a 2ª temporada da série, quase pedi o lencinho de Sarah (Rachel Griffths) emprestado. O casamento de Kevin (Matthew Rhys) e Scotty (Luke Macfarlane) foi o máximo. Eles estavam lindos! Pela primeira vez não me irritei com Nora Walker (Sally Field), a Regina Duarte americana. Emocionante a cena em que ela diz ao filho Kevin que exagerou nos arranjos florais só porque ele merecia um casamento como qualquer outro. Fofa! Aliás, foi difícil controlar as lágrimas no capítulo. Tio Saul (Ron Rifkin) arrasou! Tadinho dele, todo orgulhoso do sobrinho gay, que aceitou quebrar convenções que ele mesmo nunca teve coragem de encarar. No casório, Saul, ao fundo, derrama uma lágrima. E só essa cena é suficiente para mostrar como a relação da sociedade com a homossexualidade mudou de uma geração para outra. É divertidíssimo ver tio Saul saindo do armário na frente de todos os sobrinhos. Como bom novelão que é, o casamento foi só um dos pontos altos, afinal, a série consegue atingir caretas e modernos, republicanos e democratas, gays e heteros... O fim da temporada foi uma delícia. Enquanto todos tentam lidar com a ideia de que a filha perdida Rebecca (Emily VanCamp), por fim, não é filha coisa nenhuma, Sarah levanta outra dúvida. Será que eles têm um irmão perdido? Ah, essa foi demais! O tal bebê Ryan é um Walker? Quanto drama! E o pior é que, por mais absurdo que seja, o enredo é bom e vicia. Dá até vontade de ser uma Walker, a irmã perdida brasileira. Que tal?

Tudo o que sabemos sobre:
Fora de sérieBrothers & Sisters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.