'Twin Peaks' salva semana sem TV

Como estive sem TV a cabo por uma semana, sobrevivi de DVDs. Ainda bem que eles existem, porque ninguém merece o BBB8. Fiquei revoltada com a tal da Juliana falando, com uma voz quase infantil, que não sabe lidar com homens e que fica perdida diante do sexo oposto, pois estudou em colégio de freira. Que santa! Nunca ouvi tanta besteira - e olha que falo abobrinha! Para me livrar do festival de hipocrisia, resgatei a primeira temporada de Twin Peaks e me deliciei com o agente Cooper. A série de David Lynch é absurda de tão boa e Kyle MacLachlan é incrível! Em vários momentos, as frases do agente Cooper divertem. Seja em métodos nada convencionais para descobrir suspeitos do assassinato de Laura Palmer ou em sua fixação por tortas e café. Fora a trilha sonora bizarra, a senhora do tronco, a secretária Lucy, o anão... Medo! E a série pop/cult é atemporal. Vale a pena rever. Twin Peaks salvou a semana! E Cooper, quer dizer, Kyle MacLachlan está de volta. Lembro-me que, quando entrevistei o ator pela primeira vez, ele estava em In Justice - série de tribunal - e apareceu com um figurino digno de seus personagens esquisitões: calça social, tênis, camisa de mangas curtas e um coletinho de nylon péssimo, bem anos 90, fechado até o pescoço. Quase morri e me esforcei para não ser expulsa da entrevista por deixar transparecer minha fixação por Twin Peaks. Mas superei Cooper. Afinal, Kyle está novamente bem doido e garantiu, em papo recente, que neste quarto ano de Desperate Housewives, seu personagem Orson Hodge estará ainda mais maluco. Eba!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.