Divulgação
Divulgação

'Twin Peaks' ganha nova caixa com material inédito e filme em Blu-Ray

Famosa série de TV foi criada por David Lynch

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

31 Dezembro 2014 | 18h00

Impossível sair ileso após assistir a alguma obra dirigida pelo cineasta, pintor e adepto da meditação transcendental David Lynch. Basta lembrar de Veludo Azul, O Homem Elefante e A Estrada Perdida. Também de Eraserhead. Ou, com absoluta certeza, de Twin Peaks, a série que revolucionou a televisão nos anos 1990 e que sai agora em edição especial em Blu-Ray, com o selo da Paramount.

Trata-se de um pacote respeitável - além de todos os episódios, a caixa traz a versão americana original e a internacional do piloto da série; a estreia norte-americana em Blu-Ray do filme Twin Peaks - Os Últimos Dias de Laura Palmer, e quase 90 minutos de cenas inéditas e alternativas do longa. O box também apresenta novas introduções da misteriosa Senhora do Tronco em cada episódio, aquela estranha mulher que, agarrada a um pedaço de árvore, diz frases enigmáticas que só fatos posteriores tornarão compreensíveis.

A série, que ficou no ar entre 1990 e 91, virou sucesso imediato, atiçando o frenesi da mídia e o vocabulário da cultura pop, com anões dançarinos, torta de cereja e o bordão “Quem Matou Laura Palmer?” repetido com a mesma frequência que “Quem Matou Odete Roitman?” ou “Quem Matou Salomão Hayala?”. O termo “lynchiano” logo substituiu “kafkiano” e, no mínimo, Twin Peaks mostrou que um artista excêntrico podia derrotar a aridez da televisão americana sem comprometer muito sua visão. 

 

A série acompanha a investigação do excêntrico agente do FBI Dale Cooper (Kyle MacLachlan) sobre o assassinato da popular estudante colegial Laura Palmer, em uma pequena cidade do interior. O episódio piloto de Twin Peaks foi exibido pela primeira vez em 8 de abril de 1990 na rede ABC e se estendeu a outros sete episódios que formaram sua primeira temporada. 

Foi algo surpreendente - em um punhado de episódios, a série revelou, naquele ambiente silvestre, a sinistra psique de uma geração. Foi o suficiente para ganhar o carimbo de “obra-prima”, apontando para uma possível volta à era de ouro da TV. Em seguida, veio a segunda temporada, com 22 episódios, exibidos até 10 de junho de 1991. Já não era a mesma coisa vibrante, pois Lynch se dividia entre a série e seu próximo filme, Coração Selvagem.

A situação piorou quando o então executivo da ABC Bob Iger, hoje presidente e CEO da Walt Disney Company, pressionou Lynch a revelar a identidade do assassino de Laura a fim de acalmar os fãs inconformados com os eternos mistérios da série. “Foi como se tivéssemos um ganso que vinha cuidando bem dos ovos de ouro e, de repente, fossemos obrigados a cortar sua cabeça fora”, disse o cineasta em entrevista ao jorna britânico The Guardian, publicada em julho. “Hoje, olhando em retrospectiva, concluo que ainda amo aquele mundo de Twin Peaks e todos seus habitantes. Lamento não ter vivido mais perto deles.”

No ano seguinte, 1992, Lynch decidiu revelar os fatos que antecederam o crime, mas preferiu o cinema para isso. O resultado, o filme Twin Peaks - Os Últimos Dias de Laura Palmer, foi um fracasso - vaiado no festival de Cannes, foi considerado confuso e pouco explicativo. Durante anos, os fãs da série reclamavam que Lynch não liberava as cenas que ficaram de fora da edição final até que, finalmente, em julho passado, foi exibido The Missing Pieces (Pedaços que Faltam), com o material eliminado na edição final. 

Em julho, quando o box de Twin Peaks foi lançado na Grã-Bretanha, Lynch foi questionado pelo Guardian sobre o motivo da demora em revelar os detalhes. “Hoje em dia, com a internet, fica mais fácil saber que certas cenas ficaram de fora. Como havia um grande interesse por esse material, comecei a gostar da ideia de apresentá-las”, disse o cineasta, contando que a negociação pela liberação dos direitos autorais consumiu entre sete e oito anos. Mesmo assim, o trabalho foi compensador. “Foi bom retornar àquele mundo e conviver com aqueles personagens a partir da união das cenas deletadas.”

A espera de 22 anos não foi em vão - apesar da fragmentação insinuar que se trata de um aglomerado de vinhetas, o conjunto das novas cenas não perdeu seu impacto. Lynch dirigiu Twin Peaks depois de se consagrar com o longa Veludo Azul, no qual revelou sua indisciplinada visão de mundo, que se tornou sua marca registrada.

Questionado pelo Guardian se considera criar novas histórias para Twin Peaks, Lynch graceja: “Apenas em outra vida”. “E nessa vida?”, insiste o repórter. “Como sempre digo, nunca diga nunca.”

Figuras bizarras e esquisitices

1. Na trilha sonora criada por Angelo Badalamenti, que une suspense com tema amoroso. A se lamentar apenas que o refrão seja muito utilizado na série.

2. Na Senhora do Tronco e suas previsões: são enigmáticas, quase incompreensíveis até o final de cada episódio.

3. Nas figuras bizarras, como o auxiliar do delegado, que chora cada vez que se depara com um cadáver.

4. Nas esquisitices do agente Dale Cooper, ávido por conhecer novos pratos culinários e por registrar todos seus passos em um mini gravador.

TWIN PEAKS COLEÇÃO COMPLETA (BLU-RAY)

Diretores: David Lynch e Mark Frost

Distribuidora: Paramount - AMZ

Preço: R$ 459,90

Mais conteúdo sobre:
Twin Peaks David Lynch

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.