Todos querem entrar na tropa

Emissoras disputam os direitos de exibição de ?Tropa de Elite? e uma série fruto do longa

Alline Dauroiz e Keila Jimenez, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2007 | 23h08

Nem Camila Pitanga, muito menos Antônio Fagundes. A estrela mais disputada agora pela TV é o Capitão Nascimento. Sucesso de pirataria e bilheteria, o filme Tropa de Elite é o alvo da vez de um cabo-de-guerra entre emissoras abertas e pagas.   Veja entrevista com José PadilhaNo páreo estão Globo, Record, RedeTV! e SBT. A HBO corre por fora, ao lado de uma produtora internacional. Diretores, produtores e até os atores do longa, entre eles, o protagonista Wagner Moura (Capitão Nascimento), manifestaram o interesse de levar a história adiante como série. Isso bastou para ser dada a largada do Aventuras do Bope, como o projeto vem sendo chamado no meio. "Não esperava todo esse interesse das TVs, mas quando viram que pessoas de todas as classes sociais assistiram e gostaram do filme, se interessaram na hora. Elas querem audiência", afirma o diretor do longa, José Padilha.A Globo saiu na frente. Convidou o diretor para conversar. A Record logo entrou na briga. Na mesma fila estão Rede TV! e SBT, já com a carteira na mão."Minha única exigência é que tudo (a negociação) termine logo", diz Padilha. O tom, é claro, é de brincadeira, já que o diretor segue almoçando aqui e ali, negociando. Ele pensa em uma minissérie com 12 episódios, mas nada de retalhar o filme em capítulos. Quer algo novo. "Não acho que o apelo do filme perca a força na TV. Tem muita história pra ser contada. Ninguém abordou ainda a questão das milícias nas favelas, por exemplo", afirma Padilha. Por achar muito cansativo comandar sozinho um seriado, Padilha quer chamar outros diretores para dividir a tarefa, e está animado com a idéia de primeiro produzir a série, para depois vender. Talvez uma parceria internacional pinte na jogada. Por hora, as duas únicas certezas são: que as gravações começam em junho e que Capitão Nascimento continuará implacável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.