Toca na novela, ouviu?

Duas décadas depois de Mordidas de Amor, Yahoo ressurge com hit em Negócio da China

Gustavo Miller, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2009 | 22h17

A novela Negócio da China acabou ontem. Apesar da péssima audiência que a trama da Globo apresentou na faixa das 6h e de ter tido sua duração encurtada, algo se salvou. Para o Yahoo, por exemplo, valeu pelo retorno às paradas de sucesso.

 

Sim, é a banda com nome de portal de internet, que fez grande sucesso do final dos anos 1980 até a metade da década passada. Que em toda santa novela da TV Globo vinha com uma versão em português de alguma balada roqueira, daquelas de acender isqueiro no escuro.

Love Bites, do Def Leppard, virou o hit Mordidas de Amor ("quando faz amooooor"), tema de Bebê a Bordo (1988). Angel, do Aerosmith, ficou Anjo, de O Sexo dos Anjos (1989). Delicious e Pra Você Voltar entraram em O Salvador da Pátria (1989); Caminhos de Sol apareceu em A Viagem (1994). Fora outras...

"Devemos ter uma dez músicas em novelas. Lançamos 7 discos e cada um sempre emplacava uma música, às vezes duas. Lembrar o nome de todas que fizemos é complicado...", ri Marcelo Faria, o Marcelão, baterista da banda.

O Yahoo voltou no ano passado. Os 20 anos do grupo renderam um CD e DVD ao vivo - de versões, lógico. Uma delas, para variar, foi parar no Projac: De Volta Para o Amor, do filme Letra & Música, embalou o romance de Lívia (Grazi Massafera) e do portuga João (Ricardo Pereira) em Negócio da China. "Tivemos muita sorte e isso nos ajudou muito. Mas nunca fizemos uma música encomendada", jura Marcelão. "Virou tradição a Globo olhar nossos discos e pegar uma ou outra canção", completa.

Na última sexta-feira, a banda, de mesma formação há duas décadas, começou a primeira turnê em dez anos. Os shows são ótimo desafio para o público, que terá de forçar a memória para associar as canções aos respectivos folhetins.

"Novela ajuda, mas não é o melhor marketing. São três que passam simultaneamente, cada uma com 30 músicas - e três ou quatro que fazem sucesso!", diz. "Se a canção não for boa e não tiver apelo popular, não ajuda nada. A música vem em primeira opção, depois o marketing. Se Coca-Cola fosse ruim, no segundo dia estaria tudo encalhado, né?"

Tudo o que sabemos sobre:
TV&Lazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.