Legendary TV
Legendary TV

'The Looming Tower' mostra caminho até o 11 de setembro

Série narra a conturbada relação entre FBI e CIA, que pode ter facilitado o ataque às Torres Gêmeas

Mariane Morisawa, ESPECIAL PARA O ESTADO

08 Março 2018 | 17h11

LOS ANGELES - Em 11 de setembro de 2001, a Al-Qaeda cometeu o ato terrorista mais espetacular da história, com o ataque ao World Trade Center em Nova York. Cinco anos depois, o jornalista Lawrence Wright mostrou como a organização chegou lá, com a ajuda da falta de cooperação entre o FBI e a CIA. Ele ganhou o Pulitzer com o livro O Vulto das Torres - A Al-Qaeda e o Caminho até o 11/9, publicado pela Companhia das Letras. A história agora chega à televisão na série The Looming Tower, que estreia hoje na Amazon Prime Video, com um dos 10 episódios lançado a cada semana.

+++ Prêmio Pulitzer vai para Lawrence Wright e Cormac McCarthy

A série tem pedigree: é produzida pelo próprio autor do livro, por Alex Gibney, que ganhou o Oscar por Um Táxi para a Escuridão, e Dan Futterman, roteirista de Capote e Foxcatcher - Uma História que Chocou o Mundo. “Não sou muito fã de filmes de desastre. Outros Que falaram disso foram por essa perspectiva”, disse Futterman ao Estado, em Berlim. “Muito da série não é sobre o 11 de Setembro. Entender como chegamos lá é importante.”

+++ Documentário 'Haenyeo, a Força do Mar' revela a cultura das moradoras da Ilha de Jeju

Na adaptação para a televisão, ao lado de pessoas reais, como os agentes do FBI John O’Neill (interpretado por Jeff Daniels) e Ali Soufan (Tahar Rahim), foram criados alguns personagens que combinam vários outros, como Martin Schmidt (Peter Sarsgaard), líder da CIA na Estação Alec, um grupo interagências encarregado de investigações sobre a Al-Qaeda. Além do livro de Wright, The Looming Tower também incorpora elementos do livro escrito por Soufan que, na época do 11 de Setembro, era um dos oito agentes do FBI que falava árabe fluentemente. “Era importante contar a história de um herói americano de verdade, que é muçulmano, imigrante do Líbano e que provavelmente teria muitas dificuldades de conseguir um visto hoje para os EUA”, disse Futterman. “Ele é a pessoa mais patriota que conheço. Ainda assim, topa com outras que questionam seu sotaque, a cor da sua pele. A islamofobia não é novidade nos Estados Unidos. Tem pelo menos 17 anos, provavelmente mais. Apenas se tornou pior ao longo do último ano. Espero que as pessoas pelo menos aprendam isso: que ele representa o Islã real, e não os terroristas.” 

+++ Atriz Cynthia Nixon, de 'Sex and the City', pode concorrer ao governo do Estado de Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.