Universal Pictures
Universal Pictures

Terror na Tela Quente: Globo exibe 'Corra!' no Dia de Finados

Filme de Jordan Peele que ganhou o Oscar de melhor roteiro será exibido no lugar de 'Bohemian Rhapsody'; Globo apresenta 'Corra!', terror de Jordan Peele, na Tela Quente

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2020 | 13h13

A Globo prolonga o Halloween e substitui a Tela Quente desta segunda de feriadão, 2, após a novela A Força do Querer. Em vez do musical Bohemian Rhapsody, mostra o Corra!, de Jordan Peele. Em pouquíssimo tempo, o nativo de Nova York, onde nasceu – em 21 de fevereiro de 1979 -, tornou-se uma referência para o cinema de afrodescendentes dos EUA. Peele foi o primeiro negro a vencer o Oscar de roteiro – e justamente por Corra! Um diretor maior que ele – Spike Lee – só conseguiu o mesmo prêmio depois dele, e por um filme produzoido por Peele, Infiltrado na Klan.

Jordan Peele começou a surgir como um nome importante na TV, na série MADtv. Seus textos de humor e incursões pelo terror pavimentaram a passagem para o cinema. Corra! venceu o prêmio de roteiro original pela falta de conhecimento da maioria da crítica, e da própria Academia. O filme é uma livre adaptação de Esposas em Conflito, que Bryan Forbes adaptou de Ira Levin, com roteiro de William Goldman, em 1975. Na fantasia de Forbes, um casal muda-se para o que parece o condomínio perfeito. A América suburbana. Todo mundo feliz. As esposas são submissas a seus maridos. Por trás da aparência do mundo perfeito o que há é terror – uma realidade assustadora.

Ira Levin, vale lermbrar, foi o autor de A Semente do Mal, que deu origem a O Bebê de Rosemary, de Roman Polansky. Onde há 'normalidade', ele sempre preferiu mostrar outra coisa – a dominação das mentes. Na trama de Corra!, não são esposas, mas o namorado negro que a jovem wasp vai mostrar para os pais. Tem aí um elemento que também evoca Adivinhe Quem Vem para Jantar?, de Stanley Kramer, que ganhou os Oscars de melhor atriz (Katharine Hepburn) e roteiro original (William Rose) de 1967. Daniel Kaluuya é bem recebido pelos sogros, ou assim parece. Aceita uma bebida e acorda amarrado, de olhos bem abertos, diante de uma TV. Descobre que será submetido a um experimento. Alguém aí pensou no tratamento Ludovico a que Alex/Malcolm McDowell é submetido em A Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick?

Os brancos bonzinhos na verdade são monstruosos. Os negros são as vítimas dessa comunidade. Run Rabbit Run. Corra!

Jordan Peele ganhou seu Oscar em 2017. Fez depois outro terror – Nós. Uma família amorosa de afrodescendentes descobre que existe outra versão vampiresca deles próprios. A par de onde ele absorve suas influências, Peele tem talento na criação de climas sombrios e assustadores. Tem usado o terror como ferramenta para refletir na tela a era de Donald Trump. Seu próximo filme será Criaturas Atrás das Paredes. Dessa vez, ele assume – será um remake da obra cultuada de Wes Craven.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.