Te vejo em outra vida, brother!

150 MINUTOS: Pouco tempo e muitas perguntas. ‘Lost’, série que marcou a década, chega ao fim neste domingo nos EUA e terça-feira no Brasil

Alline Dauroiz e Etienne Jacintho, de O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2010 | 16h00

 

Há seis anos, o voo 815 da Oceanic Air, que voava de Sidney para Los Angeles, caiu numa ilha. Dos 48 sobreviventes, o telespectador acompanhou a vida de 18 personagens principais, seja em suas aventuras na ilha ou por meio de flashbacks - técnica que surpreendeu os espectadores. Durante a 1.ª temporada de Lost, o grande mistério era descobrir quem eram essas pessoas. Neste domingo, 23, a dois episódios do fim, essas questões já foram esclarecidas e outras tantas surgiram. Dos 18 protagonistas, apenas 5 estão vivos na ilha.

 

Confira outras matérias do TV:

link A ciência encontra a cultura pop

link Desfecho deve levantar mais questões

link 'Talvez vivamos num incrível mundo de sci-fi'

forum Jorge Garcia, o Hurley de 'Lost' diz ter chorado no último dia de gravação

 

O desfecho de Lost, ícone desta década, vai ao ar hoje nos EUA e terça-feira no Brasil. São apenas 150 minutos para esclarecer uma porção de dúvidas que surgiram em seis anos. E atenção: se você ainda não viu o episódio 16, What They Died For, pare de ler este texto agora, e deixe para depois das 21h, quando o AXN exibirá o capítulo, após maratona com os episódios 13 a 15.

 

What They Died For. O episódio 16 segue a história da emboscada que o Homem de Preto (ou Locke) preparou para os sobreviventes no submarino. O capítulo responde a várias questões e revela Jack como o substituto de Jacob. Agora, a gente já sabe como Jacob escolheu seus candidatos e o motivo de o nome de Kate estar riscado. Ao fim do bom episódio, algumas perguntas ficam no ar. Resta saber se elas serão respondidas ou se permanecerão um mistério. Devido à natureza alegórica e filosófica de Lost, algumas questões não terão explicações óbvias e tangíveis.

 

O significado dos números, por exemplo, é um dos mistérios sem explicação palpável. Lá na 2.ª temporada, Damon Lindelof, um dos criadores da série, em entrevista à imprensa internacional da qual o Estado participou, afirmou: "O que sabemos é a história dos números. Mas, quando alguém pergunta o que eles querem dizer, não sabemos responder." O produtor-executivo Carlton Cuse concordou e disse que perguntar o significado de alguns mistérios de Lost "é como perguntar o que é Deus". Para ele, tudo é caso de interpretação. "De fato, o mistério nunca é desvendado. É nesse contexto que estamos tentando explicar que você nunca terá uma resposta tangível e completa sobre os números, por exemplo. É um assunto para diferentes respostas."

 

Nessa corrente, se questões ficarem no ar, a discussão pode se prolongar mesmo após o término da série. Será que não é exatamente isso o que Lindelof e J.J. Abrams queriam desde o começo?

 

 

MISTÉRIOS

 

1. Como a realidade paralela vai se fundir com o quebra-cabeça da ilha?

 

2. Por que Jacob pode sairJACOB PODE SAIR

da ilha e o Homem de Preto não? Por que ele não gira a roda ou, como disse Sawyer, não vira fumaça e sai voando?

 

3. O que é a luz que precisa ser protegida e como ela transformou o Homem de Preto em fumaça?

 

4. Quem é a mulher que criou Jacob e o Homem de Preto e como ela conseguiu, sozinha, matar os habitantes da ilha?

5. Se o Homem de Preto é tão poderoso e quer matar todos os possíveis candidatos de Jacob, o que ele está esperando?

 

TEORIAS

 

REALIDADE PARALELA: Em fórum de discussão do LostPedia, a realidade paralela foi criada por Eloise Hawking para trazer Daniel Faraday de volta. O desfecho no flash-sideway reunirá os personagens no concerto do filho de Jack no museu do pai de Miles. A gente aqui do TV só teme que chamem um maestro e tudo acabe como a novela Viver a Vida.

 

HOMEM DE PRETO: Para Carlos Alexandre Moreno, doblog Lost in Lost, o Homem de Preto não é a fumaça, uma vez que esta já assumiu as formas de Christian Shephard e da mulher de Richard. Para outros blogueiros, ele é o Mal. Para a redação do TV, ele pode ser o responsável pelo apagão de FlashForward ou a fumaça do vulcão Eyjafjallajokull.

 

MANIPULAÇÃO DO TEMPO: No site Pop Arte, a teoria é que os diários de Faraday são como os de Evan (Ashton Kutcher) no filme Efeito Borboleta e que tudo é cíclico. O universo dá um jeito de manter o curso do destino. Para o TV, a cadeia cíclica pode trazer no fim de Lost outro personagem abrindo os olhos na ilha. Talvez Jack ou quem sabe Aaron?

 

SUBSTITUTO: Jack se comprometeu a ser o guardião da luz, mas e se algo acontecer? Nós, do TV, achamos que o Homem de Preto vai matar todos e Kate, a mais desacreditada dos candidatos, será obrigada a assumir a tarefa e, como a mãe de criação dos gêmeos, vai esperar alguma grávida aparecer na ilha para formar um novo substituto.

 

ILHA: Jayme Matarazzo, o Daniel da novela Escrito nas Estrelas (Globo), é fã e tem sua teoria: "Estão todos mortos. No fim, vamos descobrir que é uma série espírita." Mas Lindelof já disse que eles não estão mortos! Para o site 4815162342, o campo eletromagnético da ilha é capaz de controlar objetos à distância e, por isso, ela precisa ser protegida do mal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.