Tas põe na web um embrião de 'CQC', sufocado por 'Seu' Adolpho

25 Abril 2011 | 09h32

Com meia hora de duração, Mundo no Ar era um quadro do programa Aventura, que Fernando Barbosa Lima criou para a TV Manchete em 1986. Tinha em sua equipe "apenas" Fernando Meirelles, Marcelo Tas e Toniko Mello, a turma da produtora Olhar Eletrônico, também criadora do lendário Repórter Ernesto Varela. E uma bancada com apresentador sério, encarnado por César Monteclaro, veterano profissional da extinta TV Tupi. Mundo no Ar era definido como um "telejornal ficcional" e tinha tudo para vir a ser um CQC, produto comercial mais bem-sucedido da Band hoje. Mas durou apenas um mês. Foi tirado do ar pelo dono da emissora, Adolpho Bloch, judeu para quem o nível de deboche do grupo era descabido - mesmo que ao fim de cada edição, Mundo avisasse: "Este programa não tem comprometimento com nenhuma das versões da realidade." "O seu Adolpho nunca tinha visto o quadro e começou a ouvir falar daquilo. No dia em que resolveu assistir, nosso tema era pena de morte", lembra Tas. "E, como se a pena de morte já tivesse sido aprovada, nós saíamos às ruas perguntando às pessoas como elas gostariam de morrer. No final, colocamos uma propaganda da Apple, em que as pessoas se dirigiam a uma câmara de gás... Naturalmente, era uma crítica, e aquilo era um comercial, mas o Seu Adolpho nem quis nos ouvir, mandou tirar do ar".

A precoce carreira do Mundo no Ar estará em breve toda na web, no canal de TV do âncora do CQC dentro do portal Terra, que, aliás, até o fim do ano, terá também o acervo completo de Ernesto Varela.

Avisa lá

A estreia do Vitrine em novo horário (terça, às 20h45) será amanhã, com quem tem a dizer: Maria Adelaide Amaral recebeu Sabrina Parlatore em casa diante das câmeras da TV Cultura.

6,2

pontos de média foi o ibope do Bem Estar nos dias 18 e 19 em São Paulo. O matutino de saúde da Globo estreou com 8, já desceu a 6,6, subiu a 8,5 e voltou a cair

‘Vcs já pararam pra pensar que kate midleton vai se chamar LADY KATE? kd o salxixão?’, @evandroo lembra que a futura princesa terá algo em comum com a personagem do Zorra Total, da Globo

Dois Filhos de Francisco, o filme sobre a trajetória de Zezé Di Camargo e Luciano, pode ser desdobrado em microssérie na Globo - mesmo já tendo sido exibido como longa-metragem pelo próprio canal.

O contrato de coprodução de Dois Filhos de Francisco já previa aval à Globo para sua exibição como microssérie, como se deu com outros títulos sob o selo Globo Filmes. O momento é de negociação entre a Conspiração, coprodutora do longa, e a TV Globo.

A Band prepara para junho a estreia de um vespertino diário, ao vivo, com vários apresentadores e repórteres, com foco em celebridades. A cena irá ao ar em território nacional e na grade internacional do grupo.

Um dos quadros do novo vespertino da Band atende por Na Estrada e visa a acompanhar artistas em viagens, não necessariamente por vias terrestres, claro está.

Melhorar a performance de suas tardes no Ibope é pretensão antiga na Bandeirantes, que tem alcançado significativo progresso na faixa nobre, mas ainda padece de baixa audiência antes das 17h.

Baseado em Roque Santeiro, o documentário A Arte de Interpretar, de Lúcia Abreu, vem sendo finalizado para ser distribuído em comunidades e universidades de todo o País. O filme traz uma entrevista de Dias Gomes, material da TV1, com aval da família do dramaturgo.

Minha pedra é ametista: Bijuterias, música de abertura da versão original de O Astro, de João Bosco, é fortemente defendida para o seu remake pelos autores e diretores da nova versão da Globo.

Mauro Beting, já no ar pela Band e BandSports, fará companhia permanente a Zico em seu novo programa no canal Esporte Interativo. Semanalmente, os dois recebem um convidado para um bate-bola verbal.

Mais conteúdo sobre:
sem intervalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.