Sucesso da 3ª temporada de 'Sob Pressão' garante continuidade da série

Sucesso da 3ª temporada de 'Sob Pressão' garante continuidade da série

Temporada que chega ao fim nesta quinta, 25, na Globo, colecionou elogios e valorizou as atuações impecáveis de Marjorie Estiano e Julio Andrade

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2019 | 03h00

A 3.ª temporada de Sob Pressão, que chega ao fim nesta quinta, 25, na Globo, parece ter sido muito mais intensa do que as anteriores. E dois fatores, em especial, contribuíram para essa sensação. Os planos-sequência de tirar o fôlego exibidos em um dos episódios. E o arco dramático vivido pelo casal central, os médicos Carolina e Evandro (interpretados magistralmente por Marjorie Estiano e Julio Andrade), do casamento, passando pela perda do bebê, à separação.

“A vida de Evandro vira de ponta cabeça nesta temporada. Ele começa feliz, ao lado da Carolina e com uma nova oportunidade de trabalho pela frente. Tudo parece ir bem até que eles perdem o bebê. Isso destrói o casal e a relação aparentemente sólida que eles conquistaram fica abalada e eles se afastam. E viver longe de Carolina sempre foi devastador para Evandro. Ele, então, se envolve com outra mulher, tem uma recaída no uso de medicamentos e sofre um grave acidente”, comenta Julio Andrade, mencionando a cena do acidente de carro que vai ao ar nesta quinta e que deixará seu personagem entre a vida e a morte. 

De volta aos planos-sequência, eles foram um destaque à parte dentro da série. No episódio do dia 26 de junho, a câmera captou uma sequência dramática de ações que transcorrem dentro do hospital público, no subúrbio do Rio, onde Carolina, Evandro e sua equipe trabalham. Naquele momento, o local estava sitiado, com milicianos e policiais trocando tiros, e médicos, enfermeiros e pacientes em pânico.

Carolina tenta salvar um dos pacientes, que recebeu um tiro, e coloca a própria vida em risco. Até que acidentalmente uma maca bate em sua barriga e ela, grávida, percebe que alguma coisa aconteceu com seu bebê. Mesmo assim, segue prestando socorro ao paciente, trazendo no rosto uma expressão de angústia e dor. O que rendeu elogios de público e crítica. Julio estreou como diretor na série, e esteve também atrás das câmeras nessa sequência. 

“Tinha muita gente envolvida e, para que funcionasse, tinha que dar tudo muito certo. Desde o Lula Cerri, fotógrafo da cena, da figuração, do policial que entrava no meio do tiroteio, até o tiro que explodia na janela. Tudo tinha que ser sincronizado. Minha experiência como ator e diretor neste episódio foi incrível, porém difícil tecnicamente. Muitas vezes, por trás da câmera tinha uma pessoa preparando o centro cirúrgico, o sangue. E, para tudo isso funcionar, era muito cronometrado. Enquanto eu estava em cena, também estava preocupado com toda essa dinâmica. Dividi essa direção com o mestre Andrucha (Waddington, diretor artístico da série), que me deu esse presente. Ele acompanhava tudo por trás das câmeras, enquanto eu ia ajustando o balé com os atores dentro de cena”, conta o ator, que gostou da experiência e quer continuar. “Tenho muita vontade de fazer um filme em que eu possa contar uma história mais particular. Tenho essa vontade desde muito jovem. Sempre gostei de registrar os momentos, tenho esse hábito até hoje.”

Sob Pressão seria encerrada nesta 3.ª temporada, mas o grande sucesso da produção fez a Globo reavaliar a decisão, e a série ganhará a 4.ª temporada, que, segundo a assessoria da emissora, vai começar a ser desenvolvida. “Fiquei realmente muito contente com a continuidade do projeto”, afirma Marjorie Estiano. “Tem uma infinidade de histórias para compartilhar, informações para difundir, muito para oferecer ainda”, ela continua. 

Julio concorda: “Sob Pressão é um projeto onde muita coisa ainda pode acontecer, temos coisas para falar e temas para serem abordados. Estou muito feliz com mais uma temporada”. 

 

‘O resultado é sempre mérito da equipe’, diz Marjorie Estiano

Carolina passou por vários momentos dramáticos ao longo da série, como de autoflagelo. Mas você acredita que esta temporada é a mais dramática para a personagem?

Não poderia afirmar isso… Nas três temporadas, a personagem se deparou com conflitos de ordem muito profunda e complexa. As três temporadas revelam enfrentamentos e todos sempre somando em um repertório de experiências.

Fale do desafio de gravar os planos-sequência desta temporada. 

Estávamos nervosos, excitados. Havia muita informação para apreender em muito pouco tempo. Ao mesmo tempo, foi muito especial porque ficamos em um estado de maior conexão com o todo. Fiquei especialmente nervosa porque eu estava doente naquele dia e esse episódio era muito vigoroso, despendia muita energia física e emocional. Não vi nada até ir ao ar. Assisti junto com todo mundo e fiquei emocionada com o resultado. 

Como foi receber a onda de elogios por sua atuação nessas cenas dos planos-sequência?

Ficamos muito orgulhos. Falo em nome da equipe, o resultado é sempre um mérito da equipe, mas em um plano-sequência isso ficou ainda mais exacerbado. É a excelência do conjunto, de fato. Andrucha, Fernando Young, Lula Cerri, Felipe Lima, Jorge Saldanha… Câmera, foco, luz, som, elenco, elenco de apoio, contrarregra, coordenadores, assistentes, maquiagem, efeito… Todos, todos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.