Stephen Frears filma a vida como ela é

Os Imorais. No Telecine Cult, às 22 horas. Dir. de Stephen Frears. Reprise, cor, 114 min

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2009 | 23h35

Stephen Frears iniciou os anos 90 com Os Imorais. Em sua filmografia, a adaptação do livro de Jim Thompson situa-se entre outras duas incursões hollywoodianas do diretor inglês - Ligações Perigosas e Herói por Acidente. Todos esses filmes são ótimos, mas não se pode dizer que Hollywood tenha melhorado o que já era bom (o cinema de Frears).

A origem do filme está num convite que Martin Scorsese fez a Frears, só que as negociações para que ele realizasse Os Imorais demoraram tanto que o cineasta preferiu adaptar o romance epistolar de Choderlos de Laclos. Mas ele voltou a Jim Thompson, que, entre outras coisas, foi parceiro de Stanley Kubrick (em Glória Feita de Sangue).

A história, escrita em 1963, é seguida fielmente, exceto pelo fato de que Thompson a conta pelo ângulo do filho e Frears prefere a visão da mãe predadora. O filho, John Cusack, é um pequeno trapaceiro. A mãe, Anjelica Huston, o atrai a um grande golpe. Entre os dois está Annette Bening. Ninguém presta, o mundo é cruel. O filme poderia ser ?apenas? bom. As atrizes fazem a diferença e o jogam para o alto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.