Sonhei que era uma Firanghi-estrangeira

A gente ouve os estudiosos dizendo que a novela faz parte do imaginário popular e não entende direito, até ter pesadelo com a Pombagira que a Neusa Borges fazia em Carmen. Sonho com novela desde criança, quando fiquei impressionadíssima com aquela história meio "Bizet vai ao terreiro de macumba". Adulta, não melhorei. Na época de Belíssima, sonhei que o Silvio de Abreu me pedia para fingir que era a "Zúlia", quando a Glória Pires teve de se afastar das gravações. Eu só tinha de ficar deitada, porque o André estava mantendo a Zúlia dopada numa clínica. Logo virou pesadelo, comecei a me sentir meio tonta. Pronto, o André tinha me dopado de verdade! Outro dia, sonhei com a Índia do Projac. Lindinha com meu sári, chacoalhando pulseiras, encontrei a Puja na rua, levando a passeata dos dalits. "Dalit, venha lutar com seu povo!", disse. "Mas eu sou uma firanghi-estrangeira!", eu gritava, olhando em volta para procurar o Lima Duarte. Acordei ofegante, de tanto susto. Mas o sonho mais intenso foi de saudades de A Favorita. Comecei presa, vestida com um uniforme laranja. Ao meu lado na cela estava a Deborah Secco. Eu disse: "Ué, Céu, não me lembrava de que você tinha sido presa..." E ela: "Eu não sou a Céu; sou a Sol." Ah, tá. A Sol me apresentou a cadeia, que dureza. De repente, entramos numa cela linda, meio lâmpada da Jennie. Era a cela da Flora, a chefona das detentas! Fiquei superanimada, achei que seríamos amigas. "Amiga, nada", ela cortou logo. "Odeio jornalista!" - lembra que ela matou a Maíra? A Flora estava nervosa porque não podia fazer chapinha. "O Boninho não deixa entrar chapinha e secador aqui", explicou a Sol.O Boninho era o diretor do presídio, e todo mundo morria de medo dele. Fiquei indignada. "Ei, Flora, você precisa se impor! Imagina, mulher, você dava muito mais ibope do que o BBB! Vai deixar o Boninho mandar em você, é?" A Flora fez aquela cara de "muito bem, mosca morta". Armou rebelião, tomou conta do presídio e o sonho ficou meio Capadócia, aquele Prison Break feminino e mexicano. Comecei a me dar superbem no sonho. A Flora me adorava, chegou a me dizer que eu era muito melhor que o Silveirinha. E fiquei toda-toda, usando as expressões da bandidagem que tenho aprendido em A Lei e o Crime. O João Emanuel Carneiro bem que podia criar uma série da Flora no pós-Favorita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.