Thobias Daneluz
Thobias Daneluz

‘Sociedade da Virtude’ faz humor com super-heróis ‘reais’

Criação de Ian SBF, do ‘Porta dos Fundos’, e Thobias Daneluz coloca personagens em situações cotidianas

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2018 | 06h00

“Se eu soubesse o tamanho da loucura que é fazer dois vídeos de animação por semana, teríamos tentado fazer um quadrinho, sei lá”, diz Ian SBF. É uma brincadeira, é claro, mas também tem um fundinho de verdade. Afinal, é o humor de um dos criadores do canal humorístico de YouTube Porta dos Fundos ao tratar da sua nova empreitada, o canal de animação Sociedade da Virtude. Em fevereiro, em outra entrevista, o diretor e roteirista se enchia de orgulho para falar do projeto cujos primeiros esboços tiveram início no fim de 2016 e que entrou no ar, de fato, em maio de 2017. “É um lance de cultura pop, mas com super-heróis em situações cotidianas”, disse. “O conteúdo é curto, porque nunca se consumiu tanto em vídeo, mas as pessoas querem coisas rápidas.”

+Morre Steve Ditko, aos 90 anos, um dos criadores do Homem-Aranha

+Marvel, DC e quadrinistas lamentam a morte de Steve Ditko

Sociedade da Virtude exibe o humor de situação cotidiana que fez sucesso com o Porta dos Fundos, quando ocasiões como uma ligação para uma companhia telefônica ou a busca pelo seu nome na latinha de refrigerante diante de uma geladeira de supermercado pode ser motivo para o riso. Também se alia à maior fonte de dólares da indústria do entretenimento hoje, principalmente nos cinemas: o universo dos super-heróis. 

+Jake Gyllenhaal pode interpretar vilão em 'Homem-Aranha: De Volta ao Lar 2'

Ian, de 37 anos, encontrou um parceiro no projeto com Thobias Daneluz, de 24 anos. “Ele é um jovem que parece ainda viver nos anos 1980”, explica SBF. Daneluz, por exemplo, comprou recentemente um aparelho de VHS (sim, amigos, aquelas fitas que alugávamos nas locadoras e deveríamos entregar o filme rebobinado para não pagar multa). Curte, também, a estética de filmes de ação da época, protagonizados por Kurt Russell, Kevin Costner, entre outros. “Eu me abastecia desses filmes dos anos 1980”, ele diz. Também cita a animação X-Men, exibida pela TV Globo nos anos 1990, no programa TV Colosso, como referência. 

A Sociedade da Virtude, contudo, não combate o mal. Ou talvez eles combatam, de certa forma. Os heróis – que vão da travesti Pantera Ruiva, a mais popular do canal, ao Vidro, um mutante cujo poder é se transformar inteiramente em vidro e, por ser frágil demais, não poder se expor nas missões – são colocados em situações mais reais e cotidianas. Discutem preconceito e posicionamentos políticos, tratam do mundo com leveza e questionamento. 

Com linhas arrojadas, eles descaradamente (e propositalmente) criam heróis “inspirados” em personagens que existem já no imaginário popular. Como fazia, por exemplo, DC Comics e Marvel, décadas atrás – até mesmo Os Vingadores nasceram para ser uma versão da Marvel da Liga da Justiça, supergrupo da editora rival. É o caso dos R-Men, grupo que também é liderado por um homem em uma cadeira de rodas, como o Professor Xavier, dos X-Men. A graça é essa, também. “Às vezes alguém comenta que os personagens claramente são uma imitação dos X-Men”, diz SBF. “E eu respondo: Você está insinuando alguma coisa?” 

Mais conteúdo sobre:
quadrinhos Ian SBF

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.