'Sexo e as Negas' terá cenas quentes moderadas

Série conta a história de quatro mulheres que só querem curtir a vida

João Fernando, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 17h27

RIO- Com um toque de realidade em meio à ficção, as personagens de Sexo e as Negas, série que a Globo estreia no dia 16 de setembro, fizeram uma performance musical para os jornalistas na apresentação do programa para a imprensa, na tarde desta segunda, no Projac, sede dos estúdios de entretenimento da emissora, no Rio. As protagonistas Corina Sabbas, Karin Hils, Lilian Valeska e Maria Bia, respectivamente intérpretes de Tilde, Zulma, Lia e Soraia reproduziram um dos números feitos na trama assinada por Miguel Falabella.

Na história, elas são moradoras da favela Cidade Alta, na zona norte da capital fluminense, que dedicam o tempo livre para curtir a noite e se envolver com diferentes homens. Apesar da temática e to título, que leva sexo no nome, as cenas sensuais não serão tão quentes assim. "Estamos em um tempo politicamente correto, não se esqueça disso", justifica o autor. A diretora Cininha de Paula afirma que não há pressão da emissora. "Na minha cabeça, não houve censura e, sim, o meu bom gosto."

Ao final de cada episódio, as quatro cantarão em um curto videoclipe, cuja música tem a ver com que aconteceu naquele dia. Elas, porém, não são artistas na trama e exercem funções como recepcionista, cozinheira, operária e camareira. "Como isso (o número musical) não cabia na dramaturgia, coloquei como um sonho", conta Falabella.

Por causa do título e das personagens, que, às vezes, aparecem em trajes mais ousados, Sexo e as Negas foi criticada por ONGs ligadas a mulheres negras. Miguel Falabella, entretanto, não se importou com os manifestos. "O título é ma brincadeira com a prosódia (da série Sex and the City).Acho bom protestarem, a gente está precisando", alfineta.

Além da referência à produção norte-americaca estrelada por Sarah Jessica Parker, Sexo e as Negas tem inspiração em Nieta Costa, camareira e moradora da Cidade Alta, que trabalhou durante mais de uma década com Falabella. O ator sempre frequentou as festas que ela promovida na comunidade, onde é uma das figuras mais conhecidas. "Não é só inspirado em mim, pois lá ele conversa com todo mundo", revela Nieta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.