PEVRY KANAL
PEVRY KANAL

Série retrata Trotski como oportunista, machista, arrogante e perverso

Incorporada em dezembro ao cardápio da Netflix, a série 'Trotsky' apresenta uma visão anticomunista da Revolução Russa com ares de novelão e pouco rigor estético

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2018 | 20h20

Incorporada em dezembro ao cardápio da Netflix, a série Trotsky apresenta uma versão caricata, anticomunista e nada lisonjeira sobre a Revolução Russa, que em novembro do ano passado completou 100 anos. 

Sem lastro acadêmico e biográfico, o personagem-título é descrito como um dândi oportunista, e o movimento revolucionário, uma armação operada por homens de negócio no exílio. 

Os oito episódios da série foram exibidos pela rede pública russa de TV Pevry Kanal (controlada por Vladimir Putin) em novembro do ano passado como parte das “celebrações” dos 100 anos da Revolução.

O sucesso entre o público nativo foi tão grande que a Netflix comprou a atração. No Brasil, a série não chamou muita atenção, mas foi alvo de críticas ferozes da esquerda. O historiador Valério Arcary, ex-líder do PSTU, a classificou como “falcatrua”, “fake news” e “manipulação”.

O incômodo foi maior entre os “trotskistas”. Mais de 100 anos depois da Revolução Russa, Trotsky ainda é a referência máxima de correntes partidárias e agrupamentos que atuam nos movimentos sociais.

Além da suposta proximidade promíscua com uma burguesia exilada com características mafiosas, o líder comunista é colocado em diversas situações constrangedoras. 

Trotski é descrito como machista, psicopata, arrogante e perverso. Tem surtos nos quais fala sozinho sobre as amarguras do passado. O roteiro se divide entre cenas no idílico exílio no México em 1940 com passagens cronológicas da carreira do líder revolucionário. 

Na parte mexicana, chega a ser engraçado ver Diego Rivera e Frida Kahlo falando russo fluentemente e com sotaque moscovita. O casal abrigou Trotsky e a artista teve um romance com o convidado. 

Na produção da TV russa também não há vestígio de humanidade e caráter na personalidade do revolucionário. Trotsky teria traído aliados e sacrificado friamente os filhos e o pai em nome da revolução. 

Tais referências biográficas certamente saíram dos arquivos herdados do stalinismo. A desconstrução vai além e também Vladimir Ilych Ulyanov, o Lenin, ainda hoje o mais cultuado dos líderes da Revolução Russa, é demolido sem piedade pela série. 

Nesse caso ele é mostrado como um dissimulado oportunista que manipula as massas. A produção tem ares de novelão e pouco rigor estético. Não há muita preocupação com a reconstituição de época, que em alguns momentos é tosca. 

A título de entretenimento, Trotsky tem algumas passagens que valem o investimento de oito episódios. 

As melhores são encontros históricos e diálogos improváveis, mas saborosos, entre os personagens. Em um dos momentos, Freud trava um embate com Trotsky em Viena sobre sonhos, sexo e revolução. O psicanalista diz, enquanto manipula um charuto, que o líder revolucionário é um “tipo raro” de agressor sexual. 

“Só vi isso em dois tipos de pessoas: serial killers e fanáticos religiosos”, diz Freud. Trotsky, por sua vez, ponderou que as massas têm “psicologia feminina”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.