Globoplay
Globoplay

Série ‘Nancy Drew’ chega ao Brasil estrelada pela novata Kennedy McMann

Produção é baseada na célebre coleção de livros americana sobre uma investigadora de mistérios

Mariane Morisawa, Especial para O Estado de S. Paulo

05 de junho de 2020 | 05h00

Correções: 08/06/2020 | 16h52

Como muito ator ou atriz aspirante, Kennedy McMann estava lutando para sobreviver, usando ainda as roupas de quando era adolescente, trabalhando como babá durante a tarde e fazendo testes pela manhã – muitas vezes, as crianças a ajudavam a praticar os diálogos, que ela também decorava no metrô. “É um estilo normal de vida para uma jovem artista”, explicou McMann em entrevista ao Estadão

Mas ela deu sorte. Recém-formada na prestigiosa Universidade Carnegie Mellon, na Pensilvânia, chegou às suas mãos o roteiro de Nancy Drew, versão modernizada de uma clássica coleção de livros americana que existe desde os anos 1930 sobre uma investigadora de mistérios. E ela conseguiu o papel principal na série, produzida por Josh Schwartz e Stephanie Savage (The O.C., Gossip Girl e Runaways) e que chega ao Brasil nesta sexta-feira, 5, no serviço de streaming Globoplay, depois de boa recepção nos EUA. 

Como muitas mulheres que leram os livros sobre a detetive adolescente à procura de verdade, McMann, filha de uma escritora de livros para jovens adultos, também era fã de Nancy Drew. “Ela me influenciou muito!”, disse a atriz de 23 anos. “Meus pais fizeram bem em nunca enfatizar o gênero dela. Eles não me davam os livros porque Nancy era um ótimo exemplo feminino, mas porque era um bom exemplo e ponto. Espero captar isso na série, que Nancy é impressionante porque é uma pessoa impressionante. O fato de ser uma garota é irrelevante. Ela me ensinou a ser ousada, apaixonada e que defender o que é certo sempre vale a pena, quaisquer sejam as consequências.”

McMann sabe que no Brasil a personagem não é tão famosa assim. “Estou empolgada de apresentá-la a muitos brasileiros!”, disse. “É uma Nancy para os novos tempos, em que sua rebeldia se manifesta de maneiras diferentes, sendo presa ao procurar pistas ou tendo a autoconfiança para levar sua vida amorosa como quer sem se conformar com as expectativas da sociedade.” A atriz descreve a série como “misteriosa e cheia de suspense, tocante e romântica, brincalhona e leve e um pouquinho aterrorizante”. 

A Nancy Drew na série é uma jovem que está em luto – acabou de perder a mãe – e teve de abandonar o sonho de deixar a pequena Horseshoe Bay e ir para a universidade. Sua relação com o pai, Carson (Scott Wolf, de O Quinteto), é cheia de conflitos. No passado, ela era famosa por investigar mistérios, mas deixou isso de lado, até virar suspeita do assassinato de Tiffany Hudson (Sinead Curry), da família mais rica do local, junto com seus colegas de trabalho no restaurante, George (Leah Lewis), Bess (Maddison Jaizani) e Ace (Alex Saxon), além do seu ficante, Ned (Tunji Kasim). 

O enigma envolve elementos sobrenaturais, como o fantasma de Lucy, uma adolescente morta 19 anos atrás. “Essa virou minha parte favorita da série”, disse McMann. “O sobrenatural dá um elemento de diversão, terror, suspense e intriga. Mas tudo bem enraizado no mundo real.” 

Cada um dos personagens tem seus próprios segredos a serem desvendados – e o maior deles envolve Nancy. “Ela é tão focada no exterior, obcecada em entender as pessoas à sua volta”, disse McMann. “Mas os roteiristas foram espertos em revelar um grande segredo sobre ela que muda a vida de Nancy e a força a olhar para dentro.” A combinação de mistérios, personagens que não são o que parecem e romances adolescentes geraram comparações a Riverdale, que inclusive é exibida no mesmo canal nos EUA. “Há semelhanças estéticas, mas Nancy Drew está em seu próprio universo. Os personagens são mais velhos, e a trama é fundada em relacionamentos e experiências reais.” Ela tem razão, e Nancy Drew tem possibilidade de agradar mesmo a um público menos teen. 

A primeira temporada teria 22 episódios, mas foi interrompida pela pandemia e acabou com 18. A produção teve sorte. “No fim, tivemos um grande final de primeira temporada”, disse a atriz, sobre o “cliffhanger” que deixa o futuro de todos no ar. “Não sei como vai ser a segunda nem se os quatro episódios finais vão se encaixar, mas a turma está cheia de problemas depois de seu último envolvimento com o sobrenatural. Eles vão ter de lutar para continuar vivos! E isso no meio de novos romances, mistérios e muita diversão, claro.” 

Correções
08/06/2020 | 16h52

O nome correto da atriz é Kennedy McMann, e não McCann.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.