Paul Child/Schlesinger Library, Radcliffe Institute, Harvard University/Sony Pictures Classics
Paul Child/Schlesinger Library, Radcliffe Institute, Harvard University/Sony Pictures Classics

Série mostra vida da chef Julia Child, que trabalhou para escritório de espionagem americano

Conhecida por seu trabalho de gastronomia, ela, que é tema de 'Julia', da HBO Max, foi encarregada de desenvolver um repelente de tubarão

Dave Kindy, The Washington Post

03 de maio de 2022 | 15h00

Na série de comédia de sucesso da HBO Max Julia, Julia Child é retratada preparando seu icônico programa The French Chef para a televisão pública em 1962. No entanto, muito antes de mudar a culinária americana, a tagarela da gastronomia estava servindo receitas para o Office of Strategic Services (OSS), precursor da CIA, durante a Segunda Guerra Mundial.

Sua primeira criação não foi um prato interessante, mas, sim, repelente de tubarão.

Depois que os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial em 1941, Child, de 29 anos (então solteira e conhecida por seu nome de nascimento, Julia McWilliams), queria servir seu país. No entanto, foi considerada muito alta para o Serviço de Emergência Voluntária na Marinha e para o Corpo Auxiliar do Exército Feminino.

Em Washington, Child acabou se juntando à recém-formada OSS, a agência de espionagem dos EUA, durante os anos de guerra. Ela trabalhou como assistente de pesquisa júnior no Setor de Inteligência Secreta, digitando milhares de nomes de funcionários do governo em fichas. Ela logo se cansou dessa tarefa e conquistou uma posição trabalhando diretamente para William Donovan, diretor e fundador da OSS.

Suas habilidades foram finalmente notadas, e ela recebeu um trabalho mais importante trabalhando para o capitão Harold J. Coolidge na Divisão de Projetos Especiais da Seção de Equipamentos de Resgate Marítimo de Emergência (ERE), encarregado de desenvolver ideias para manter os marinheiros e aviadores abatidos seguros em a água.

"Julia nunca foi realmente uma espiã, mas ela esperava muito se tornar uma quando se juntou à agência em dezembro de 1942", explicou Jennet Conant em 2011 no Book TV da C-SPAN, onde discutia seu livro A Covert Affair: Julia Child e Paul Child no OSS.

Em 1943, ataques de tubarão tornaram-se uma grande preocupação para os militares. Embora fossem raros - apenas 20 ocorreram nos primeiros três anos da guerra - a mídia se concentrou nesses eventos sangrentos. As famílias estavam preocupadas com o que aconteceria com seus entes queridos lutando pela sobrevivência.

O Exército e a Marinha pediram ajuda ao OSS para encontrar uma maneira de proteger o pessoal mantendo os tubarões afastados. Os cientistas procuravam há anos um método ou produto químico que repelisse os animais, mas nada parecia funcionar.

A tarefa de encontrar uma solução foi dada a Coolidge, cientista do Harvard Museum of Comparative Zoology, e ao codiretor da divisão Henry Field, curador do Field Museum of Natural History em Chicago. Coolidge pediu a Child e outros pesquisadores que criassem algo que mantivesse os tubarões afastados.

Na época, Child ainda não havia feito seu primeiro coq au vin - ou qualquer prato francês. Ela só adquiriria suas habilidades culinárias lendárias depois da Segunda Guerra Mundial e de seu casamento com Paul Child, que também serviu no OSS. Mais tarde, o casal mudou-se para Paris, onde integrou o Serviço de Relações Exteriores dos EUA. Foi lá, em 1951, que começou a estudar na escola de culinária Cordon Bleu.

O tempo de Child em D.C. a ajudou a desenvolver sua criatividade e confiança. "Devo dizer que nos divertimos muito", disse Child a McIntosh.

Por seu serviço durante a guerra, Child recebeu o Emblema do Serviço Civil Meritório. Ela foi reconhecida por sua "desenvoltura, indústria e bom senso".

"Sua motivação e alegria inerentes, apesar de longas horas de trabalho tedioso, serviram de estímulo para maiores esforços para aqueles que trabalham com ela", afirmou. "O moral em sua seção não poderia ter sido maior. Suas realizações refletem um grande crédito para ela e para as Forças Armadas dos Estados Unidos." / Tradução de João Luiz Sampaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.