Série 'Into the Badlands' mostra futuro apocalíptico com espadachins letais

Criadores de ‘Smallville’ embarcam na ficção ‘Into the Badlands’, nova série que estreia nesta segunda, 16

Pedro Antunes - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Não se sabe direito como o mundo acabou. Mas ele já não é como conhecemos. Em Into the Badlands – nova série do canal AMC que estreia à 1h da manhã desta segunda-feira, 16, e reprisada no mesmo dia, às 22h30 – as armas de fogo foram banidas por sete poderosos que dividiram o território entre si. E a ordem é mantida por intermédio das lâminas mais afiadas.

Os criadores de Smallville Alfred Gough e Miles Millar encabeçam uma nova aventura também responsável por unir a realidade com a ficção. Mas vão além. Não colocam um Superboy para lidar com o nosso mundo. Eles pegam o nosso mundo e criam uma nova realidade. Into the Badlands explora a humanidade a poucos anos no futuro, após um caos apocalíptico extinguir muito do que conhecemos atualmente. Há algum maquinário, mas tecnologia contemporânea, tais quais celulares, computadores, internet, não existe mais.

Cena da série Into the Badlands Foto: James Minchin|AMC

Volta-se para a estrutura social da idade medieval. Os sete homens mais poderosos da época se autodenominam como Barões e dividem todo o território entre si. Sete grandes feudos passam a dividir Badlands. Cada um dos Barões tem o domínio de determinado recurso natural necessário para a sobrevivência da humanidade e, assim, controlam a população amedrontada pelos perigos que há fora dos muros.

É assim que surge na tela Sunny, protagonista da trama interpretado por Daniel Wu (de filmes como O Homem Com Punhos de Ferro e Protégé). A voz dele narra, ou tenta explicar, o que aconteceu com o mundo como conhecemos, enquanto o próprio surge imponente, montado em uma moto, cruzando um terreno árido. Sunny é o responsável por levar o telespectador para dentro dessa nova realidade.

Trata-se de um guerreiro, um órfão, como tantos outros que se alistam nos exércitos dos Barões. Os escolhidos são chamados de Clippers, lutadores ferozes, donos de técnicas impecáveis com a espada. E Sunny é o melhor deles. Ao encontrar um adolescente fugitivo, conhecido apenas como M.K. (vivido por Aramis Knight, um garotinho em Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge), Sunny se vê em meio a uma briga de Barões: de um lado está Quinn (Marton Csokas), aquele a quem o lutador jurou proteger; do outro, aquela conhecida como Viúva (Emily Beecham), empossada após a morte do marido.

Into the Boardlands sabe usar as cenas de ação para trazer agilidade a uma trama intrincada, que inclui traições, jogo político e bélico, questões de paternidade e busca pela própria identidade – neste caso, para M.K. e Sunny.

O primeiro episódio funciona como um cartão de visitas de até onde a imaginação dos criadores Gough e Millar pode chegar nesta terra devastada, perigosa e comandada por aqueles que melhor dominam uma lâmina bem afiada.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato