Será que a dramaturgia 'tá na roça'? Duvido

Quanto drama!

Patrícia Villalba, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2009 | 00h16

Na quarta-feira, dia de capítulo curto em Caminho das Índias por causa do futebol, fui para a Record ver A Fazenda. Deixei Narinha, minha filha de 9 anos, sozinha na sala, enquanto pegava algo para comer na cozinha. Cinco minutos. "Mamis, entendi tudo: quando dizem ?tá na roça?, é o ?paredão? deles, igual o BBB, sabe? Eles não têm confessionário igual ao BBB. E disseram que os participantes são famosos, mas eu acho que eles são bem parecidos com os BBBs."

O Miguel Falabella disse outro dia que o telespectador brasileiro parece ter 9 anos de idade, então, vamos usar aqui o exemplo da Narinha (que, aliás, ficou ofendidíssima com o comentário do outro): nos primeiros cinco minutos, disparou uns cinco "igual ao BBB". "Há! Até o fim do programa algum deles ainda vai chamar esse moço de Bial, mamis!", completou a pequena, tirando onda com o Britto Jr.

Claro que a comparação com o reality show da Globo, inegavelmente o mais famoso e bem-sucedido da TV brasileira, é a mais óbvia. Mas desta vez a Record não copia só a concorrente direta, mas a TV de todos os cantos, que só sabe mostrar realities. Agora, na certeza de que cada um é o mocinho da história da própria vida, todo mundo deu para achar que merece ser acompanhado por uma câmera.

É tanta realidade, pretensa realidade, realidade fingida e realidade escabrosa (lembre-se do E24, da Band), que sou obrigada a dizer que só a dramaturgia é capaz de salvar a TV. E, nesse sentido, quanto mais fantasia, melhor. Nada pode ser mais antirrealidade do que a doida da Nazareth Tedesco, mas olha a Senhora do Destino aí, arrebatando a audiência. À tarde, o que é mais surpreendente. A alegoria em máxima potência de Caminho das Índias, a pureza da adorável Paraíso, os mafiosos charmosos de Poder Paralelo - é mesmo curioso que o reality show venha ganhar terreno justo aqui, a terra onde a telenovela é sinônimo de produção caprichada.

Você vê Lima Duarte e Laura Cardoso segurando uma cena no olho-no-olho em Caminho da Índias. Na Fazenda, ouve a Babi Xavier dizer, sem conseguir convencer nem a si mesma, que "a gente beija em cena e beija em casa, mas beijar para ganhar jogo, não!". Daí, se pergunta até onde pode ir a canastrice. Deixa pra lá. Ela ?tá na roça?.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.