Segunda temporada de 'Hemlock Grove' estreia nesta sexta

Série original do Netflix é terror para jovens com estômago forte

Gabriel Perline, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2014 | 18h43

TORONTO - Suportar a lentidão predominante nos episódios iniciais da primeira fase de Hemlock Grove pode ter sua recompensa, já que a série original do Netflix promete mais ação, sangue, mistério e efeitos especiais em sua segunda temporada, disponível a partir de sexta-feira, 11, na plataforma de streaming, com dez episódios inéditos.

Feita para adolescentes de estômago forte, a história é uma adaptação do livro de Brian McGreevy, e se passa na fictícia cidade que dá nome à série, no interior da Pensilvânia - mas gravada no Canadá. É comandada pela bizarra família Godfrey, responsável por uma empresa de biotecnologia que conduz, por baixo dos panos, experiências com humanos.

A nova fase mostra a cidade tentando se recuperar de um massacre provocado por uma besta sobrenatural. Traz ainda alguns reforços ao elenco para suprir as baixas da primeira temporada, como a atriz Madeline Brewer, no papel de Miranda Cates, uma escritora que despertará o interesse dos protagonistas, Roman Godfrey (Bill Skarsgård) e Landon Liboiron (Peter Rumancek).

"Ela é inteligente e misteriosa. Chega à cidade após a grande tragédia, cativa os dois garotos e acaba se envolvendo com suas complicações", disse a atriz ao Estado. "Roman e Landon são caras da pesada e a chegada de Miranda serve como distração para os dois em relação aos outros problemas que enfrentam", comentou Liboiron.

Filho do ator veterano Stellan Skarsgård e irmão do também ator Alexander Skarsgård, Bill vê certa complexidade em interpretar um upir (segundo o folclore eslavo, uma mistura de humano, bruxo e demônio). "Ele vem de uma família desequilibrada e descobre, aos poucos, quem realmente é." Agora, ele surge mais demoníaco e perturbado pelo desaparecimento da irmã. "Roman está mais assustador e mais maduro". Questionado sobre um possível confronto com o vampiro Eric, personagem de seu irmão em True Blood, o ator brinca: "Ele pode ser maior, mas Roman é destruidor".

Entrevista - Madeline Brewer, atriz

'Trabalhei como garçonete após 'Orange Is The New Black''

Este é seu segundo trabalho como atriz e também o segundo no Netflix...

Sim, Netflix virou a minha casa. Quando fui escalada para Orange Is The New Black estava assustada, mas fui bem recebida pela equipe, assim como agora, em Hemlock Grove.

Como foi a transição entre Tricia, de 'Orange', e sua atual personagem, Miranda Cates?

Gosto de pensar que Tricia escapou da prisão em Litchfield e foi parar na fictícia Hemlock Grove. Passou a se chamar Miranda, mudou o visual e agora escreve livros, e tem como amigos alguns seres sobrenaturais (risos).

O que você fez no intervalo entre as gravações destas séries?

Fiquei oito meses apenas participando de testes. Terminei as gravações de Orange em fevereiro de 2013 e somente em outubro vim para Toronto para gravar Hemlock. Neste tempo, trabalhei como garçonete em Nova York. Foi engraçado, porque Orange estreou em julho e até então eu era anônima. Depois que virou febre, me perguntavam: "O que está fazendo aqui?". Até que recebi uma mensagem dizendo que fui aprovada para Hemlock e gritei: "Tchau, galera! Estou indo para o Canadá". Larguei meu avental e fui arrumar minhas malas (risos).

* O REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO NETFLIX

Tudo o que sabemos sobre:
Hemlock GroveOrange Is The New Black

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.