05 de janeiro de 2011 | 06h00

A direção de jornalismo do SBT, na voz de Luiz Gonzaga Mineiro, assegurou ao Estado que os cortes que tinham de ser feitos na área já acabaram. Treze pessoas foram dispensadas na segunda-feira - outras foram remanejadas para outros programas da casa. O feito foi causado pelo fim do Boletim de Ocorrência, o B.O, programa que não obteve sucesso em buscar audiência com conteúdo policialesco. Há pouco mais de um mês, o SBT tentou reformar o produto e convocou Roberto Cabrini para apresentá-lo - o jornalista rejeitou a missão. O fim do B.O. é a primeira obra de Daniela Beyrytti, filha de Silvio Santos, em sua segunda gestão no comando da programação da emissora.

Mangá

Camila Chiba, aposta oriental da Globo para a próxima novela das 7, em cena gravada no Japão: Hoshi, sua persona, é uma atrapalhada decasségui e membro dos otakus, grupo que defende a cultura moderna japonesa. De Walcyr Carrasco, Morde e Assopra estreia em março.

555%

foi o avanço de audiência constatado pela Nielsen no primeiro dia do Own, canal de Oprah Winfrey que antes abrigava o Discovery Health nos EUA

'Eu não tolerando isso aqui. Quero ir gravar meu programa' Paulo César Pereio, do elenco da novela Amor e Revolução, ao Estado, em workshop sobre a ditadura, no SBT

O SBT refaz contatos com profissionais de jornalismo na Argentina para voltar a ter correspondente naquela praça.

A contratação de um correspondente na China, segundo o diretor de jornalismo do SBT, Luiz Gonzaga Mineiro, também está em processo. No Brasil, a emissora pretende intensificar sua cobertura no Nordeste, com polo em Pernambuco.

Sem mudar de canal: a surpreendente transmissão contínua de três horas da posse, no sábado, feito inédito no SBT, foi altamente incentivada pelo titular do horário, Raul Gil, que defendeu junto à direção do SBT a importância do evento, abrindo mão de sua imagem na tela.

O Roda Viva já encerrou seu período de recesso. Volta ao vivo na próxima segunda-feira, com convidado a definir, na TV Cultura.

Patricia Maldonado gravou em dezembro piloto para o Infomaníaca, projeto da Band para a nova grade. Versa sobre os hábitos femininos no campo da tecnologia.

O Telecine rufa tambores para anunciar que há cinco anos consecutivos, desde 2006, exibe o filme mais assistido do ano na TV por assinatura brasileira. O vencedor de 2010 foi Lua Nova.

Das 10 maiores bilheterias do cinema no Brasil em 2010, 7 tiveram ou terão sua primeira exibição pelo canais Telecine. Eis a lista: Tropa de Elite 2, Avatar, Shrek para Sempre, Eclipse, Alvin e os Esquilos 2, Nosso Lar e Chico Xavier.

Adendo: os filmes brasileiros aí mencionados pela Rede Telecine, que pertence à GloboSat em 50%, são todos coproduzidos pela GloboFilmes. Assim fica tudo em casa.

Rodrigo Rodrigues, ex-Vitrine, substitui Eduardo Elias - que foi para a MTV - no Bate-Bola da ESPN Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
Sem intervaloSBTCristina Padiglione

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.