Sangue e suingue

HBO volta ao universo da máfia carioca na 2.ª parte da série nacional 'Filhos do Carnaval'

Etienne Jacintho, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2009 | 16h00

.

Um gato preto, dizem os supersticiosos, é sinal de mau presságio. E o drama na série Filhos do Carnaval começou justamente quando o ator Jece Valadão, na pele do bicheiro Anésio Gebara, vê o animal. Isso foi em 2006, ano em que a HBO e a produtora O2 Filmes lançaram a série nacional assinada por Cao Hamburger e Elena Soárez. A primeira parte teve seis episódios. Agora, quase quatro anos depois, a dupla lança outros sete capítulos. A demora, em parte, foi por causa da morte do protagonista Jece Valadão, em 2006. De lá para cá, o roteiro teve de ser modificado para girar, agora, em torno dos três filhos do bicheiro. O resultado vale a espera.

 

Desta vez, quem dá o sinal do mau agouro é Cris (Vitor Thiré), neto de Gebara e filho de Claudinho (Enrique Diaz), o único herdeiro legítimo do bicheiro. Logo na abertura da segunda temporada, o adolescente vê um pássaro ensanguentado. Logo pensa no avô. Gebara está morto. No enterro, os dois filhos ilegítimos aparecem para carregar o caixão. Brown (Rodrigo dos Santos) e Nilo (Thogun) – narrador da história – estão de volta e sofrem a ilusão de que o velho Gebara, no fim de sua vida, decide assumir a paternidade de ambos. Porém, o documento que atesta a paternidade foi forjado por Claudinho, que quer dividir com os irmãos não a herança, mas, sim, as responsabilidades criminais pelos negócios ilegais da família.

 

Veja também:

linkWalmor Chagas: 'Só ator de país pobre se sujeita às novelas'

 

Claudinho, que está enriquecendo com as máquinas caça-níqueis, cria uma armadilha para os irmãos e, a partir daí, a trama recomeça. Na segunda temporada, Filhos do Carnaval vai mostrar o relacionamento cheio de altos e baixos entre os três irmãos, além de abordar as relações deles com suas respectivas mulheres e com seus inimigos, seguindo a linha de máfia vista no primeiro ano. Nessa Família Soprano carioca não há heróis – talvez um anti-herói – e os dois primeiros episódios já mostram um enterro, alguns assassinatos, uma cova rasa e uma exumação ilegal.

 

FAMÍLIA EM RUÍNAS

A segunda temporada volta a ser realista, com cenário cru e histórias trágicas. Na série, ninguém ganha dinheiro ilegalmente sem perder a dignidade. E a derrocada é pior, uma vez que os personagens já são pessoas desestruturadas. "Uma pessoa precisa ter base afetiva, educação, para não se perder nos excessos da nossa sociedade hoje", resume Rodrigo dos Santos.

 

"Brown, por exemplo, vai declinar emocionalmente porque já não tem a referência paterna que era contra quem ele despejava aquele ódio, misturado com amor", conta o ator. "Ele fica muito confuso e segue uma linha de autodestruição." Até mesmo o amoroso Nilo sofrerá os efeitos de seu entorno. "Todas as relações humanas, sem base familiar, são comprometidas", fala Thogun. "Viva Nelson Rodrigues, afinal, essa é A Vida Como Ela É", comenta o ator/rapper sobre as mazelas familiares de Filhos do Carnaval, ainda mais com o amadurecimento das personagens femininas na trama – mulheres e cunhadas.

 

A VEZ DAS MULHERES

A primeira parte de Filhos do Carnaval jogou holofotes sobre a luta de Anésio Gebara para superar a morte do filho mais velho e mais querido Anesinho (Felipe Camargo) e da batalha do caçula Claudinho para provar ao pai que tem valor. Já a segunda parte dá importância aos três irmãos e, claro, suas mulheres não poderiam ficar de fora. "Quando tinha o pai e os três filhos, sobrava pouco espaço para elas, mas sempre gostamos das personagens", conta Cao Hamburger. "Agora, esse antagonismo do pai vai para os filhos", comenta Elena Soárez. "Como mulher e problema caminham juntos..."

 

A atriz Mariana Lima, que vive Ana Cristina, mulher de Claudinho, dá um panorama do que vai acontecer. "As mulheres vão operar um desmembramento dos próprios núcleos familiares com seus desejos internos. Elas vão protagonizar eventos que vão desfazer as famílias e provocar coisas perigosas."

 

Rosana é a primeira a decepcionar Nilo, seu homem. "Ela descobre a liberdade e percebe que aquela vida de mãezona é uma caretice", fala Roberta Rodrigues, atriz que vive a personagem. "Ela faz da loucura a sua verdade." Para Shirley Cruz, que interpreta Glória, mulher de Brown, a mulherada, na primeira temporada, já segurava a onda dos maridos, mas agora, isso será mais evidente.

 

GENTE DE VERDADE

Filhos do Carnaval tem cenário cru. Não abusa da tal estética da favela, tão em voga desde Cidade de Deus, mas também não tem os tons pastéis da novela das 9. É vida real, mesmo que as pessoas retratadas ali não tenham acesso imediato à atração, que entra em cartaz em um canal pago.

 

"Nossas famílias não vão assistir", fala Shirley Cruz. Curioso é ver que a família de Shirley pode ver a novela Viver a Vida, de Manoel Carlos, que retrata pessoas distantes da realidade delas. Impossível para a maior parte dos espectadores se identificar com o mundo de cores perfeitas e pessoas impecáveis filmado por Jayme Monjardim. "Não consigo assistir mais a novelas porque não vejo gente lá", fala Mariana Lima. "Aqui, você consegue enxergar a pele das pessoas."

 

Isso não significa falta de cuidado com a luz, muito pelo contrário, a técnica de filmagem de Filhos do Carnaval impressiona. "Isso é produção de cinema. Tem o preciosismo de longa-metragem", comenta a atriz. "É esteticamente muito diferente até de seriados americanos. É um produto com potencial altamente popular e história muito brasileira, mas refinado do ponto de vista estético e técnico."

 

linkA 1.ª temporada, com seis episódios, será reprisada de amanhã a sábado, às 22h, na HBO (20h, na HBO2) e a 2.ª parte, com sete capítulos, estreia na HBO dia 4, próximo domingo, às 22h.

 

linkClaudinho

| Enrique Diaz

Filho caçula de Gebara vira o Poderoso Chefão com a morte do pai e engana os irmãos ilegítimos. Ele é casado com Ana Cristina (Mariana Lima), que vai ter vários amantes, incluindo o próprio cunhado Nilo

 

linkBrown

| Rodrigo dos Santos

Filho ilegítimo de Gebara terá reação autodestrutiva após a morte do pai, com quem sempre teve uma relação de amor e ódio. Ele é casado com Glória (Shirley Cruz) e engravidou a sobrinha.

 

linkNilo

| Thogun

Narrador que ganha mais importância na trama, é filho ilegítimo de Gebara, mas sempre sonhou em ser reconhecido pelo pai. Considerado ingênuo, namora Rosana (Roberta Rodrigues), que vai sofrer pelo vício em drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.