Roteiristas e estúdios chegam perto de negociações formais

Os roteiristas de Hollywood em greve e os grandes estúdios reduziram suas diferenças após uma semana de negociações informais, suscitando esperanças de que um novo contrato possa ser alcançado, informou o Los Angeles Times na terça-feira. Representantes do Sindicato dos Roteiristas dos EUA (WGA) e da Aliança de Produtoras de Cinema e Televisão (AMPTP) começaram a reunir-se na quarta-feira passada para discussões informais. Foram as primeiras conversações diretas entre os dois lados desde o colapso das negociações contratuais, em 7 de dezembro. As discussões atuais visam deitar as bases para a retomada das negociações oficiais, e as duas partes concordaram em não repassar nenhuma informação à imprensa enquanto a negociação estiver em curso. Cerca de 10.500 roteiristas do WGA entraram em greve em novembro. Desde então, a produção de comédias e dramas da televisão praticamente parou, vários filmes foram adiados, e a temporada de premiações em Hollywood vem sofrendo restrições sérias. Citando fontes não identificadas, o Los Angeles Times disse que na última semana os escritores e produtores reduziram suas divergências em questões chaves, como a porcentagem que os roteiristas devem receber quando filmes e programas de TV são distribuídos pela Internet. As fontes disseram que as conversações ainda podem chegar a um impasse, como aconteceu no início de dezembro. Elas disseram que as duas partes continuam divididas sobre quanto os roteiristas devem receber quando seus programas são transmitidos online e se os sindicatos devem ter jurisdição sobre conteúdos originais criados para a Internet. Representantes do WGA e da AMPTP se negaram a comentar. Fontes do setor de cinema e televisão disseram à Reuters que o artigo do jornal é altamente especulativo, mas uma delas acrescentou: "Eles (roteiristas e produtores) ainda estão conversando, e acho que se pode afirmar que isso é um bom sinal."

REUTERS

29 Janeiro 2008 | 20h28

Mais conteúdo sobre:
TV ROTEIRISTAS ESTUDIOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.